Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

FAO empenhada no combate à seca e mudanças climáticas em Cabo Verde

FAO empenhada no combate à seca e mudanças climáticas em Cabo Verde (FAO)

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, diz estar "empenhada" em apoiar Cabo Verde a enfrentar um período crítico de seca e os efeitos directos das mudanças climáticas.

 

O director-geral da FAO, José Graziano da Silva, e o ministro da Agricultura de Cabo Verde, Gilberto Correia Carvalho Silva, discutiram, esta quarta-feira, em Roma, maneiras de desenvolver de forma sustentável o sector agrícola.

O dirigente cabo-verdiano falou do encontro que manteve com o chefe da FAO, na sede da agência, na Itália.

"Foi um encontro bastante profícuo como sempre. Tenho tido imenso prazer de me encontrar com o director-geral da FAO para trocar as impressões sobre a nossa cooperação. Desta vez, falamos sobre a problemática da seca que está a assolar Cabo Verde neste momento, e da nossa cooperação tendo em consideração a sua mitigação e construção das soluções para a resiliência. Cabo Verde é um país salino que enfrenta também grandes efeitos das mudanças climáticas e precisa rapidamente encontrar soluções para se adaptar a essa nova realidade".

Durante o encontro, o director-geral da FAO e o ministro cabo-verdiano elogiaram a decisão histórica da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, COP23. A reunião reconheceu o papel que a agricultura desempenha na implementação do Acordo de Paris.

"Creio que a importância da agricultura para implementação do Acordo de Paris, penso constituir um grande passo do COP23, em Bona. Enquanto país, estamos bastante esperançados no desenvolvimento de cooperação profícua e que ajuda, de facto, os países que mais enfrentam essa problemática a resolver os problemas de forma sustentável. Contamos muito com a cooperação da FAO e de todos os parceiros em prol de uma agricultura sustentável no mundo e que leve de facto os conhecimentos, as parcerias àqueles que mais precisam: as famílias rurais, sobretudo, da pequena agricultura familiar que mais sofre os efeitos das mudanças climáticas".

O Ministério da Agricultura de Cabo Verde estima que, em breve, 70 mil pessoas poderão ser atingidas de forma indirecta pelas mudanças climáticas. Este número representa cerca de 13% da população cabo-verdiana.

 

quinta, 07 dezembro 2017 09:16

Deixe um comentário

Os campos com (*) são obrigatórios.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version