Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

Bastonário da ordem os arquitectos demitido em Assembleia Geral

César Freitas, até agora Bastonário da Ordem dos Arquitectos de Cabo Verde, foi demitido por decisão da Assembleia Geral realizada no passado dia 31. Além de Freitas abandonam a OAC todos os membros do conselho directivo. A informação foi avançada hoje, em conferência de imprensa, por Frederico Hopffer Almada, presidente da Assembleia Geral da OAC.

 

A decisão sobre a eleição do sucessor de César Freitas, através de eleições, está marcada para o dia 26 de Novembro. O vencedor da eleição assumirá a posição para o triénio 2017-2020. Segundo Frederico Hopffer Almada, a AG de 31 de Outubro decidiu também anular todas as decisões tomadas pelo bastonário e pelo conselho directivo a partir de Junho de 2016, devido ao adiamento ilegal da eleição que deveria acontecer em 2016.

“Eles decidiram em segredo fazer tal adiamento violando aberta e gratuitamente o disposto no regulamento eleitoral”, defende Frederico Hopffer Almada.

Da reunião do dia 31 de Outubro os membros da OAC decretaram também a suspensão da loja online da OAC devido à violação dos artigos 79º e 35º.

“O conselho directivo nacional, que não tem poderes para alterar o valor da quota, usurpou poderes da AG quando determinou um desconto de 10% a quem pagasse as suas quotas através desse portal”, revela Frederico Hopffer Almada.

A fim de assegurar a gestão corrente da OAC, foi eleita uma Comissão Executiva, órgão que irá também solicitar uma auditoria às contas da Ordem.

Segundo Frederico Hopffer Almada, “as finanças e o restante património da OAC” foram “seriamente delapidados” nesses quatro anos de mandato do actual bastonário César Freitas com viagens para o exterior.

Esta AG veio na decorrência da eleição realizada no dia 29 de Outubro, em que o arquitecto António Pedro Mendes Bettencourt saiu vencedor, enquanto líder da única lista concorrente, “VEZ&VOZ”.

“A eleição do dia 29 foi uma mera tentativa de alguns se porem a salvo do apuramento das suas responsabilidades”, salienta Hopffer Almada, para quem a maioria dos arquitectos associados da Ordem tem reclamado a solicitação de uma auditoria externa. 

segunda, 06 novembro 2017 13:13

Deixe um comentário

Os campos com (*) são obrigatórios.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version