Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

Cabo Verde terá seguido guião para condenar independência catalã

Espanha terá enviado 'comunicado-guião' para ser usado por vários países nos seus posicionamentos sobre a Catalunha. Segundo comunicado emitido por Cabo Verde é praticamente igual às supostas orientações de Madrid.

 

A difusão deste 'comunicado-guião' foi denunciada por um jornalista alemão, correspondente em Bruxelas, que no Twitter publicou a alegada nota enviada por Espanha aos seus parceiros da União Europeia. A veracidade das afirmações do jornalista não foi desmentida.

 

 

As coordenadas não terão chegado apenas aos parceiros europeus. A 31 de Outubro, o governo de Cabo Verde enviava à comunicação social um comunicado onde dizia que o "Governo da Republica de Cabo Verde não reconhece, nem reconhecerá a declaração unilateral de independência pronunciada pelo Parlamento da Catalunha no passado dia 27 de Outubro". Um texto que, de facto, corresponde em grande medida às alegadas indicações de Madrid, de acordo com a publicação do jornalista alemão, datadas de 27 de Outubro (ver texto a vermelho no tweet), ou seja, quatro dias antes do executivo nacional retomar o tema da Catalunha.

 

Questionado sobre a utilização deste suposto guião, o governo, através do ministro da Presidência do Conselho de Ministros, Elísio Freire, explicou que "Cabo Verde pronunciou-se de uma forma autónoma e soberana como sempre fizemos ao longo da nossa história" e garantiu que os dois comunicados emitidos pelo governo "reflectem a posição de Cabo Verde".

Na semana passada, após um primeiro comunicado do Governo sobre o tema, o Presidente da República lamentou a falta de concertação de posições entre o Governo e a Presidência da República numa questão sensível de política externa. Em reacção, Elísio Freire, ministro da Presidência do Conselho de Ministros afirmou que "o governo não comenta declarações feitas pelo senhor Presidente da República", acrescentando que "o governo trata de todas as questões num quadro de lealdade institucional e no quadro da relações com o senhor Presidente da República que são as melhores".

Também o governo português foi acusado, pelo Bloco de Esquerda, de copiar o 'guião' espanhol. Ontem, na edição online do Expresso, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, negava essa informação. "O Ministério dos Negócios Estrangeiros não recebe directrizes de Governos estrangeiros", afirmava, numa nota enviada àquele jornal, o chefe da diplomacia portuguesa que salientava "importantes diferenças" a notar entre o 'guião' enviado por Madrid e o texto difundido pelo governo português. "Por exemplo: a nossa referência expressa à unidade de Espanha; a nossa referência expressa ao diálogo político responsável; ou a declaração de confiança no conjunto das instituições democráticas espanholas".

Outros países terão usado o mesmo guião

O governo do Reino Unido disse na passada sexta-feira que não reconhecerá a declaração de independência feita pela Catalunha em relação à Espanha. E, para o efeito, terá seguido o mesmo ‘guião’ enviado por Espanha a outros países.

“O Reino Unido não reconhece e não reconhecerá a declaração unilateral de independência feita pelo Parlamento regional catalão”, disse o gabinete da primeira-ministra britânica, Theresa May, em comunicado.

“Foi baseada em uma votação que foi declarada ilegal pelos tribunais espanhóis”, afirma o comunicado. “Continuamos a querer o regime de leis mantido, a Constituição espanhola respeitada e a unidade espanhola preservada.”

Também o Governo de Angola declarou, na terça-feira, que não reconhece a proclamação unilateral da independência da Catalunha, defendendo a "preservação" de Espanha como um "Estado unitário".

A posição surgiu num comunicado do Governo angolano distribuído em Luanda e no qual apela ainda ao executivo espanhol, e à União Europeia, através das suas instituições democráticas, para que encontrem, na base do diálogo, "as melhores vias para a restauração da ordem constitucional e dos direitos de todos os cidadãos espanhóis".

sexta, 03 novembro 2017 16:51

3 Comentários

  • Cesc Pujol 04-11-2017 Reportar

    Cap Verd és un protectorat d'inter-
    nacional És per això que es comporta indegudament.
    Porque no te Callas

  • Sabrina Reis 04-11-2017 Reportar

    INACREDITAVEL, CHOCANTE, INCREDULAS E COM RANCOR. COM QUE ENTAO ESTE GOVERNINHO ADORA FAZER PAPEL DE ESCRAVO DAKELES NAZISTAS ESPANHOIS??? TENHAM VERGONHA NA CARA NO QUANTO QUE ESTE PAÍS BATALHOU PARA SER INDENPENDENTE EM VEZ DE RESPEITAR A LIBERDADE AGORA QUEREM SER COLONIAS PARA ESTES PATIFES ROUBAREM O VOSSO DINHEIRO. JA COMEÇO A TER NOJO DE VOCÊS.
    VIVA CATALUNHA INDEPENDENTE !!!!!

  • nomia 03-11-2017 Reportar

    vergonha mesma

Deixe um comentário

Os campos com (*) são obrigatórios.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version