Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

Opinião

Ponto prévio. Os acontecimentos ocorridos no Parlamento na passada semana (27/02) que envergonharam a democracia cabo-verdiana e o País, transmitindo uma péssima imagem das mulheres e dos homens que se dedicam à política como actividade (profissional ou não), exigem da classe política um pedido de desculpas à Nação, o que faço, publicamente, por obrigação (e dever) inerente às funções político-partidárias exercidas, actualmente. Fá-lo com total sinceridade e pelo profundo respeito que tenho para com os meus concidadãos, mas igualmente, com sentido de responsabilidade e assunção da necessidade urgente da praxis política ser consequente com o discurso, contrariamente àqueles que, logo…
sábado, 08 março 2014 00:00
1
Para os mais incautos e que não o conhecem, parece estar preocupadíssimo com os problemas que afligem a humanidade, como por exemplo: as implicações das alterações climáticas na vida humana; a crise económico-financeira mundial, que parece continuar, arrastando com ela a “idolatria do dinheiro”; o fenómeno do terrorismo mundial; a pobreza extrema; o crime organizado, etc.
sábado, 08 março 2014 00:00
0
Tomando conhecimento do artigo de opinião da autoria do Senhor Amílcar Spencer Lopes, publicado na última edição impressa do jornal “Expresso das Ilhas”, bem como na sua edição on-line, servimos da presente para, ao abrigo do direito de resposta, reagir e repor algumas verdades. Geralmente não somos dado a reacções nos periódicos sobre o que por aí se publica, deixando que cada um, principalmente aqueles que bem nos conhecem, tire as suas próprias ilações. No entanto, face a tantas inverdades, fuga em frente e má interpretação do Regimento da Assembleia Nacional, por parte do Senhor Amílcar Spencer Lopes, sabe se…
segunda, 03 março 2014 00:00
2
A sessão da Assembleia Nacional do mês Fevereiro terminou no meio de recriminações mútuas entre o partido do governo, o PAICV, e maior partido da oposição, o MpD, quanto à forma como os trabalhos parlamentares são conduzidos. À semelhança do que aconteceu em outras situações, o ambiente de tensão acabou por degenerar em incidentes com forte impacto negativo na opinião pública. A frequência com que estes incidentes vêm acontecendo interpela a todos. De facto, é de se perguntar quem poderá estar a beneficiar com a perda de credibilidade do centro do pluralismo no sistema político e da sede da fiscalização…
segunda, 10 março 2014 00:05
1
A política aplicada ao desporto referencia o poder do estado sobre as instituições que dirigem o desporto, sua organização, sua gestão e que respeitem toda a comunidade. A política desportiva visa criar condições para que cada indivíduo, cada grupo de indivíduos, participe na resolução de todos os problemas de uma sociedade, com total consciência do significado das diferentes soluções defendidas por uns e por outros. O desporto é um elemento de democratização, traduzindo o peso político deste sector. Ao concebermos ao Estado como garante e orientado pelo interesse geral, mostra, que obviamente uma missão do serviço público. Se desporto é…
sexta, 28 fevereiro 2014 00:00
0
Nasceu como um Projecto de Estado. Nasceu. Fruto de um longo parto. Foi muito desejado por várias gerações de cabo-verdianos. Por isso, suscitou apoio generalizado. Os anos passaram. Surgiram problemas. As pessoas começaram a analisar, silenciosamente, o crescimento da nova instituição. Há anos, abriu-se um procedimento eleitoral para a designação do Reitor. O Governo determinou a sua suspensão. Então, critiquei essa decisão por ser de molde a violar a autonomia universitária. Muitos acharam que era exagero. Na formulação mais simpática. Recentemente, os candidatos ao cargo de Reitor afirmaram o mesmo. De Projecto de Estado aproximou-se de um Governamental Projecto. Surgiram…
segunda, 10 março 2014 00:00
2
Num dos romances de Mario Vargas Llosa, Zambrano diz a um certo cavalheiro estas palavras tocantes: “Es usted un asno”. O sr. Júlio Correia, secretário-geral do PAICV, não é propriamente um asno, mas apenas um politicante que, aos trancos e solavancos, absorveu todo o veneno da cultura totalitária, com o seu ranço liberticida e vanguardista, na peugada das velhas ideologias messiânicas. Júlio, com as suas cantiguinhas de botequim, é uma alma mesquinha e atrasada, culturalmente míope. É a charlatanice na sua expressão mais comovente e o sinal mais perfeito desse fenómeno tão bem denunciado por Ortega Y Gasset n’ A…
segunda, 03 março 2014 00:00
5
Depois de ler o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a gestão das empreitadas de obras públicas do Estado ao longo da última década, aprofundei a convicção da necessidade e oportunidade da sua conversão                        num exercício de pedagogia cívica na consciencialização dos cidadãos para o grave problema das derrapagens das empreitadas públicas. Isto pois a inadequada gestão dos recursos públicos que o relatório põe em manifesto tem grandes implicações negativas para a realidade orçamental cabo-verdiana. Ora, o governo, em vez de confrontar a realidade das derrapagens das empreitadas públicas que agravam, ainda mais, os desequilíbrios nas contas…
sábado, 01 março 2014 00:00
0
“A maioria dos estudiosos afirma que o Carnaval brasileiro surgiu em 1723, com a chegada de portugueses das Ilhas da Madeira, Açores e Cabo Verde, que trouxeram a brincadeira de correrias, mela-mela de farinha, água com limão, vindo depois as batalhas de confetes e serpentinas”. Surpresos? Vamos continuar: “... foram os portugueses das Ilhas da Madeira, Açores e Cabo Verde que trouxeram o Carnaval para o Brasil. Muitos deles eram marranos, cristãos-novos que mantinham uma vida judaica em segredo, fugindo da Inquisição. Os judeus portugueses fugindo à Inquisição foram primeiro para as Ilhas Atlânticas (Madeira, Açores, Cabo Verde e São…
sábado, 01 março 2014 00:00
0
Através do Facebook, reproduzido em destaque no Jornal A Semana, o Primeiro Ministro José Maria Neves, acusa o MpD de comportar-se “conforme as circunstâncias e a quantidade de votos que pode angariar”. Já tínhamos ouvido o mesmo discurso vindo do Secretário-Geral, Júlio Correia. É a máquina da repetição em movimento, mais uma vez. A mesma ideia já gasta, tantas vezes repetida com tiques de arrogância: “não há confronto de ideias e de projectos alternativos de governação”, o que é mesmo que dizer “só eu tenho ideias, só eu tenho capacidade de governar!”. O MpD não vai ficar na defensiva a…
domingo, 02 março 2014 00:00
0
A Sessão Plenária de Fevereiro na Assembleia Nacional tem sido dominada pela discussão entre os partidos e o governo sobre as obras públicas no país. O MpD requereu uma interpelação ao governo sobre a gestão e execução de obras públicas de infra-estruturas 2001-2012. O relatório da Comissão de Inquérito requerido pelo PAICV e incidindo sobre um período de mais de vinte anos será debatido pelos deputados. Não há grandes novidades nos argumentos esgrimidos pelas partes. O governo e o partido que o suporta esforçam-se por demonstrar que obras são sinal inequívoco de progresso. Os partidos de oposição contrapõem que os…
segunda, 03 março 2014 00:03
1
Ao assumir, a contra-gosto, a recandidatura ao cargo de Presidente do PAICV para o embate eleitoral de 2011 que redundou na conquista do seu 3º mandato à frente do Governo da República, José Maria Neves (JMN) entrou numa espiral negativa do ponto de vista de gestão política (e não só) que tem afectado a sua imagem e sobremaneira o País, com tendência para ameaçar a estabilidade governativa. Primeiro, com os episódios de má memória decorrentes das últimas eleições presidenciais e autárquicas, principalmente as primeiras, na qual tentou impor o seu candidato, como já havia feito (com relativo sucesso) em relação…
sábado, 22 fevereiro 2014 00:01
2
Uma das grandes novidades da actualidade nacional é a génese de um mercado intelectual. Antigamente, o universo intelectual Cabo-verdiano tinha um contexto, tinha atores mas não tinha suporte em relações de produção; na ultraperiferia tradicional.cv, o trabalhador artístico e analítico podia ter talento e erudição, mas não tinha oportunidades locais de emprego remunerado em universidades, editoras, palcos ou salões. Portanto, à parte um conjunto limitadíssimo de técnicos profissionais, a história da produção intelectual Cabo-verdiana cumpriu-se grandemente na informalidade; sem suporte público, e sem um mercado privado para o produto intelectual, os nossos investigadores ganhavam a vida modestamente como funcionários em…
sábado, 22 fevereiro 2014 00:01
5
A crítica à partidarização da Administração Pública (AP) é recorrente. Ancora-se, fundamentalmente, no facto dos seus dirigentes serem militantes ou amigos. Do dito. E nem sempre têm competência para os cargos que ocupam. Toda a gente conhece toda gente. Certo?
sábado, 22 fevereiro 2014 00:00
6
A guerra das datas continua. O líder parlamentar Felisberto Vieira quer que o dia 19 de Fevereiro de “abertura política” do então partido único PAICV seja comemorado a par com o 5 de Julho, dia da independência nacional, e o 13 de Janeiro dia da Liberdade e Democracia. Em conferência de imprensa na terça-feira, dia 18 de Fevereiro, anunciou que o seu partido vai celebrar com várias actividades a data em que se criou “espaço para instauração do regime multipartidário” e convidou todos os cabo-verdianos a assinalarem a efeméride como um dos “momentos marcantes da libertação de Cabo Verde”.
sábado, 22 fevereiro 2014 00:03
3
“Aos negros ... é permitido casar não apenas entre eles, mas também com gente de outra cor. Esses cruzamentos tornaram o país repleto dos mais diferentes exemplares de mostrengos humanos. Um branco e um negro geram um mulato. O mulato une-se então a um negro ou a um branco, e com isso formam mais duas variantes chamadas mestiços. Esses mestiços de branco então unem-se a mestiços de negros ou brancos, ou mulatos; e assim, são tantos os ramos em que se desdobram com tais cruzamentos, que se torna difícil distingui-los com designações exactas, embora sejam facilmente identificáveis no geral pelos…
sábado, 15 fevereiro 2014 00:00
10
Há pelo menos um ano que o Presidente da Câmara Municipal da Ribeira Brava (PCMRB), em São Nicolau, vem aparecendo na Televisão Nacional, com relativa regularidade e frequência, a tentar passar a mensagem de que o “desvio” de dinheiros denunciados pelo Tesoureiro daquela CM, em Outubro de 2012 e confirmados, pouco depois, por auditoria do Tribunal de Contas, teriam tido início em 2006, ou seja, quando, então, eu era Presidente daquela edilidade. Claro que, apesar de eu residir na Praia, mais precisamente na Achada de Santo António, a dois minutos dos estúdios da nossa televisão, nunca ocorreu aos senhores produtores…
sábado, 15 fevereiro 2014 00:00
0

Expresso das Ilhas

Top Desktop version