Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

Surto de legionela causa duas mortes em Lisboa

Duas pessoas morreram, em resultado do surto de legionella no Hospital Francisco Xavier, em Lisboa, Portugal. O número de casos subiu para três dezenas, informaram na segunda-feira a Direção-Geral da Saúde (DGS) e o Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA).

 

Num comunicado conjunto enviado na segunda-feira à noite, DGS e INSA indicaram que até às 20:00 de segunda-feira (19 horas em Cabo Verde) "foram diagnosticados 30 casos de Doença dos Legionários com possível ligação epidemiológica ao Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental (CHLO) - Hospital de São Francisco Xavier", mais um caso do que o anterior balanço.

Destes 30, dois morreram, também na segunda-feira, um teve alta e os restantes encontram-se internados. "Os doentes são, na sua maioria, idosos com factores de risco associados, nomeadamente doenças crónicas graves e hábitos tabágicos", indica o comunicado assinado pela directora da DGS, Graça Freitas, e pelo presidente do INSA, Ricardo Jorge.

As duas entidades informam que "está em curso a investigação epidemiológica nas vertentes da vigilância da saúde humana e ambiental, a fim de apurar as circunstâncias que originaram o surto", tendo sido realizadas vistorias técnicas aos equipamentos e às estruturas "potencialmente associados a fontes de transmissão", trabalhos que vão "manter-se durante os próximos dias".

O comunicado refere ainda que está a ser preparado um relatório conjunto da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, DGS e INSA "para esclarecimento da cadeia de acontecimentos que conduziram ao surto".

No entanto, os procedimentos vão demorar "pelo menos, duas semanas", tendo em conta a necessidade de realizar "o exame cultural das amostras (ambientais e humanas) e a subsequente avaliação genómica" para apurar a ligação "entre a componente ambiental e a saúde humana"

"A Direcção-Geral da Saúde sublinha que a doença se transmite através da inalação de aerossóis contaminados com a bactéria e não através da ingestão de água. A infecção, apesar de poder ser grave, tem tratamento efectivo. As medidas de segurança adoptadas prevêem-se suficientes para interrupção da transmissão e controlo do surto, e vão continuar a ser monitorizadas", conclui o comunicado.

 

terça, 07 novembro 2017 09:24

Deixe um comentário

Os campos com (*) são obrigatórios.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version