Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

Diário da prisão de Luaty chega a Luanda e testa «limites» à liberdade

Luaty Beirão Luaty Beirão

O diário dos primeiros dias de prisão de Luaty Beirão vai ser apresentado em livro, em Luanda, um ano depois de concluído, com o activista a admitir ser uma forma de testar os atuais "limites" à liberdade em Angola.

 

A presentado em Portugal e no Brasil ao longo do último ano, Luaty Beirão lamentou, em declarações à Lusa, que não tivesse sido possível fazer em Luanda a primeira apresentação do livro, que teve como base o diário que conseguiu fazer sair da prisão - onde esteve com outros 16 activistas angolanos, no mesmo processo, entre 2015 e 2016 - no interior de um jornal.

"Primeiro houve uma grande demora, anormal, para os livros saírem da Alfândega e depois houve a dificuldade de encontrar um sítio para realizar um evento como este, associado ao meu nome, que infelizmente ainda é uma luta. Estamos a sondar, para ver se há novas fronteiras, mas estes obstáculos iniciais tiveram a ver com autocensura, não houve nenhuma pressão institucional", explicou.

O lançamento em Angola do livro "Sou eu mais livre, então - Diário de um preso político angolano" está agora agendado para 09 de novembro, no Hotel Globo, em Luanda, com apresentação a cargo do jornalista Reginaldo Silva.

"Vamos ver se não vai haver pressão sobre os proprietários [do hotel]. É preciso a gente continuar a experimentar, a ver até onde podemos empurrar estes limites que nos são impostos, às liberdades fundamentais, à coexistência pacífica, de podermos todos ser cidadãos deste país", disse ainda.

Isto, numa alusão às alterações no país, com a chegada ao poder de João Lourenço, empossado como Presidente da República de Angola em Setembro, sucedendo a 38 anos de liderança de José Eduardo dos Santos, alvo da dura crítica, ao longo dos últimos anos, de Luaty Beirão e outros activistas angolanos.

"Este é mais um desses testes, se não houver censura já é uma boa coisa, é um indício que pode estar a haver uma mudança de postura em relação às vozes dissonantes", apontou.

O 'rapper', luso-angolano, foi um dos 17 activistas condenados a penas de prisão pelo tribunal de Luanda, a 28 de Março, por rebelião e associação de malfeitores, depois de ter já passado seis meses em prisão preventiva, após a detenção a 20 de Junho de 2015.

A publicação, explicou anteriormente, resultou de um desafio da diretora editorial da Tinta-da-China, Bárbara Bulhosa.

O diário, de 100 páginas, retracta os primeiros 16 dias de prisão preventiva, até ao início de Julho, quando o activista e outros do mesmo grupo partilhavam espaço numa cadeia com cerca de 1.500 reclusos.

Ocupava então uma cela de dois por três metros, de onde por vezes nem podia sair para as refeições.

"Recordo que eram dias em que tinham uma sensação de tranquilidade, de que não valia a pena stressar. Vivíamos com pequenas conquistas, como o acesso à família, à comida de casa ou aos livros, e algumas perdas também", contou Luaty Beirão, que entre Setembro e Outubro de 2015 realizou uma greve de fome de 36 dias, contra o excesso de prisão preventiva.

"Durante aqueles primeiros dias cheguei a ficar 47 horas trancado na cela, sem luz. Lembro-me de estar na altura tranquilo, embora em alguns momentos aborrecido com o que se estava a passar, mas geria-se. Estávamos mentalizados que íamos estar ali muito tempo", explicou, anteriormente.

Um diário que virou livro devido à "astúcia" de colocar o original no interior de um jornal, como contou o activista.

"Aproveitei uma visita e meti entre jornais que não podiam entrar. Voltaram para casa [os jornais], com o caderno lá dentro. Não quisemos correr o risco de fazer de outra forma, o resultado está aí, porque foram lá à cela e levaram o outro caderno, que agora não aparece", explicou, em 2016, em entrevista à Lusa, Luaty Beirão.

O diário que foi publicado, afirma, "não é sequer um quinto do material que estava nos restantes cadernos", que acabaram apreendidos pelos Serviços Penitenciários, já que tudo tinha de ser verificado, e no caso lido, à saída do estabelecimento prisional.

Luaty Beirão e os restantes 16 activistas - 15 estiveram em prisão preventiva e outras duas activistas acabaram também por cumprir a pena decretada pelo tribunal de Luanda - deste processo foram libertados pelo Tribunal Supremo no final de junho, após recurso apresentado pela defesa.

Foram todos abrangidos pela amnistia presidencial para crimes - excluindo os de sangue - cometidos até 11 de Novembro de 2015, decretada no ano passado.

 

sexta, 03 novembro 2017 09:16

Deixe um comentário

Os campos com (*) são obrigatórios.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version