Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

Expresso das Ilhas - Actualidades
terça, 17 outubro 2017 17:20 Publicado em Sociedade

O pessoal operacional afecto à delegação do Ministério da Educação em Porto Novo, Santo Antão, ameaça entrar em greve no final deste mês, seguida de uma acção judicial no tribunal contra a tutela. Em causa, a não inscrição no INPS.

terça, 17 outubro 2017 14:56 Publicado em Cultura

No âmbito das celebrações do Dia Nacional da Cultura, que se assinala esta quarta-feira, 18, o Governo decidiu prestar tributo a uma geração de artistas e criadores.  

terça, 17 outubro 2017 11:54 Publicado em Sociedade

Mais de 700 efectivos da Polícia Nacional (PN) vão estar envolvidos na implementação do plano de segurança do IV Fórum de Desenvolvimento Económico Local, que começa hoje, na Praia. 

terça, 17 outubro 2017 11:26 Publicado em Desporto

Cabo Verde subiu três posições no “ranking” da FIFA, actualizado segunda-feira, apesar da derrota sofrida frente ao Senegal, em jogo de qualificação africana para o Mundial de futebol de 2018.

terça, 17 outubro 2017 11:11 Publicado em Mundo

Várias manifestações são esperadas hoje na Catalunha para protestar contra a prisão domiciliária de dois importantes responsáveis independentistas acusados de sedição, numa altura em que se agudiza a crise entre Madrid e os separatistas catalães.

terça, 17 outubro 2017 10:35 Publicado em Economia

Relatório elaborado pelo Instituto Nacional de Estatística mostra que a confiança dos consumidores atingiu um novo máximo este trimestre. Valores idênticos só no terceiro trimestre de 2005.

terça, 17 outubro 2017 10:13 Publicado em Cultura

A Harmonia divulgou esta segunda-feira a data da 10ª edição do Kriol Jazz Festival. 19, 20 e 21 de Abril.

terça, 17 outubro 2017 09:59 Publicado em Mundo

A situação na Catalunha é ambígua. A opinião é do especialista em relações internacionais, José Pedro Teixeira Fernandes, expressa à última edição do Panorama 3.0, da Rádio Morabeza.

terça, 17 outubro 2017 09:53 Publicado em Economia

Preços do turismo, diz o INE, diminuíram 1,5% relativamente ao trimestre anterior.

terça, 17 outubro 2017 08:26 Publicado em Política

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares, disse ontem que Portugal cumpre a lei na emissão de vistos para estudantes cabo-verdianos, adiantando estar a trabalhar com a embaixada para ultrapassar as dificuldades.

terça, 17 outubro 2017 08:12 Publicado em Mundo

O governo português decretou três dias de luto nacional, a partir desta terça-feira, pelas 36 mortes ocorridas entre este domingo e esta segunda-feira nos mais de 500 incêndios que deflagraram por vários pontos do país.

terça, 17 outubro 2017 08:08 Publicado em Opinião

O início do novo ano político ficou marcado pelo caso dos manuais escolares que dominou o debate público tanto nos órgãos de comunicação social como nas redes sociais e em outros espaços informais. Os erros flagrantes, as dificuldades do ministério da Educação em se explicar e o protorganismo do primeiro-ministro ao longo do episódio garantiram que a atenção do país nele se fixasse até o momento em que as autoridades cederam e retiraram os manuais com promessa de uma nova edição revista. O incidente, na sequência de outros que têm deixado as pessoas algumas vezes perplexas e outras vezes apreensivas, acabou por criar uma certa inquietação. A alternância de governo em 2016 tinha alimentado a esperança que se ia fazer diferente, pôr fim ao ilusionismo e focalizar-se na criação de riqueza e prosperidade geral. Um caminho que exigiria mais eficiência na utilização dos recursos e maior eficácia em obter resultados. A inquietação vem da percepção de que se estará a perder tempo, recursos e oportunidades quando o país, por todas as razões já sobejamente conhecidas, pouco espaço tem para manobra.

Martin Wolf, o economista chefe do jornal Financial Times, num artigo recente, deixou claro que economias que não crescem são as em que a liderança se caracteriza em  insistir num  pensamento mágico, falha em criar incentivos que motivam as pessoas a criar riqueza, menospreza a importância das instituições em garantir esses incentivos e não reconhece a importância central do investimento privado nacional e estrangeiro na dinamização da economia. Ora, em Cabo Verde nos últimos anos viveu-se muito à custa do discurso mágico, os incentivos visaram mais aumentar a dependência do Estado, a segurança jurídica e institucional ficou muito aquém do desejável e ninguém procurou traçar uma estratégia de atracção de investimento externo, deixando-se levar pelo que era oferecido pelos operadores como aconteceu em sectores como o turismo, indústrias e transportes. Os resultados não podiam ser os melhores e depois de mais de cinco anos de crescimento médio à volta de 1% é que aparecem sinais de que poderá subir patamares superiores como o já verificado no crescimento do PIB em 2016 de 3,8% e a previsão do FMI para 2017 em 4%.

 Uma nota de aviso está porém presente nas projecções nos anos seguintes até 2022. Só se projecta que o crescimento passe para 4,1% do PIB em 2018 e aí se mantenha até 2022. Compreende-se que para as instituições de Bretton Woods não haja grandes expectativas de crescimento se se tiver em conta que o ambiente de negócios e a competitividade actual do país assim como foi avaliado pelo Forum Económico Mundial o situa no grupo dos piores entre os 138 países do relatório. Romper com este estado de coisas não é fácil, mas é o que se espera do actual governo para que o país atinja os níveis de crescimento económico necessários para realmente debelar o desemprego, combater a pobreza e manter viva a esperança da mobilidade social e prosperidade futura. Aliás, a promessa do crescimento de 7% para se poder criar os 45 mil postos de trabalho foi feita com essa convicção. Por isso que a reacção nem sempre satisfatória do governo em termos comunicacionais e mesmo de oportunidade perante percalços diversos tem trazido alguma inquietação. Há nas pessoas uma percepção profunda de que o país está numa encruzilhada e que para poder ultrapassá-la é fundamental uma liderança com visão e determinação e com capacidade para congregar vontades na consecução dos objectivos propostos. 

Mais do que nunca as pessoas querem ver eficácia na acção governativa mesmo quando não concordem totalmente com as políticas ou tenham uma perspectiva política partidária diferente. Por isso é que as críticas ou pontos de vista diferentes não devem ser considerados “barulho” por quem governa e que ninguém deve reclamar que seu partido é Cabo Verde como se os outros também não o fossem nesta república democrática e plural. É num ambiente de pluralismo em que os direitos da oposição são respeitados e que diferentes instituições do Estado cumprem na plenitude com as respectivas competências  que se tem maior probabilidade de acertar com o caminho certo. Parafraseando Martin Wolf, evita-se o pensamento mágico, os incentivos não são contaminados por interesses particulares e dão garantia de estabilidade e de previsibilidade e ainda constrói-se a confiança necessária para que nacionais e estrangeiros queiram investir e por essa via contribuir para a criação da riqueza.

A crise que atravessa as democracias modernas tem servido de munição para certos sectores de opinião que sempre tiraram grande satisfação em apontar falhas ao que chamam democracia formal. Os alvos preferidos são os partidos, o parlamentarismo, o sistema eleitoral proporcional e faz-se apologia dos mecanismos da democracia directa e de formas presidencialistas de governo. O apelo ao populismo e ao “sistema do homem forte” e do “chefe” não limitado por instituições e normas está sempre aí presente. Até se reclama que seria mais eficaz por não obrigar aos procedimentos constitucionais tidos como perda de tempo e limitativos de acções de governação. A realidade histórica porém demonstra que tais derivas desembocam invariavelmente em tirania, maior desigualdade social e mais pobreza.

 Os partidos podem ter muitos defeitos, mas são eles que cristalizam as alternativas dentro do sistema, quem no presente ou no futuro os eleitores podem exigir responsabilidade e quem pode fornecer referência ideológica, recursos organizacionais e suporte político activo a governantes e forças de oposição no jogo democrático essencial para levar o país para o melhor caminho. O caso já paradigmático de Donald Trump nos Estados Unidos demonstra como a eficácia da governação é negativamente afectada quando se governa sem o respaldo do partido e se procura refugiar ou em pretensas soluções tecnocráticas ou em esquemas de quero, posso e mando. Dá para pensar o que não vai bem em Cabo Verde e que leva a uma inquietação generalizada e à preocupação com alguma falta de eficácia do governo.  

 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 828 de 11 de Outubro de 2017. 

terça, 17 outubro 2017 06:47 Publicado em Cultura

A Esquina do Tempo, que começou como Crónicas de Diazá em 2009, fez-se blogue em 2010, produziu Crónicas de Mindelo em 2014, apresenta agora Crónicas do Expresso das Ilhas. Um convite para revisitar a esquina do tempo inicial.

Para os meninos da minha infância da Chã de Cemitério, periferia da cidade do Mindelo, ilha de São Vicente – estou a falar dos anos sessenta – as pontinhas (esquinas ou pontas de esquina do nosso bairro) tiveram uma função importante de socialização, de iniciação na vida adulta e de transmissão de conhecimentos, sendo, portanto, suportes da nossa memória tanto colectiva como individual.

As nossas brincadeiras da infância ou da meninência estavam praticamente circunscritas a dois grandes largos. Um era o Largo John Miller, que se estendia da estrada, situada entre os clubes de ténis do Castilho e do Mindelo, até à Praça da Salina (Praça Estrela). Do outro lado da estrada ficava o nosso largo, sem qualquer placa ou nome oficial, mas delimitado por duas importantes referências naturais: a pontinha de Nhô Fonse, num extremo, e a pontinha de Nha Teresa, noutro, com as nossas casas no espaço circundante.

 Ao Largo John Miller íamos caçar pardais, aprender a andar de bicicleta, comprar bolachas na Padaria Jonas Whanon e fazer recados e pequenas compras na Mercearia Lizardo, do Nhô Ventura. Contudo, era no nosso largo que passávamos a maior parte do tempo. Ali, durante o dia, jogávamos à bola, saltávamos ao eixo, fazíamos as guerras-de-cavalo e o jogo de corrida-a-pau, passávamos calaca e andávamos à pancada e, à noite, reuníamo-nos para ouvir histórias contadas pelos mais velhos.

Era na ponta de esquina da Nha Teresa ou do Nhô Fonse, iluminada por um único poste público que dava uma luz amarelada e fraca, que, à noitinha, depois de comermos à pressa a nossa cachupa, nos reuníamos com os colegas e aprendíamos dos mais velhos, através das estórias do cinema, do maravilhoso e do fantástico. E tínhamos então gente boa a contar histórias, como Tchéta de Nhô Germano, Funhû de Nhô ‘Nton Bertôl, Lalela de Nha Liza e Lije de Nhô Fonse.

Outro grande contador de histórias, mas com uma predilecção sádica para nos aterrorizar com os casos das feiticeiras e das almas de outro mundo – da capotona, da catchorrona, do gongom, da canelinha e dos maçongues – era o César de Nhô Guste, aquele rapaz magricela, muito esperto, de sorriso franco e olhos arregalados, que emigrou cedo para a Terra-Longe que tem “gente-gentio”, na linguagem do poeta, que ficou por lá e de onde não voltará nunca mais.

O problema surgia quando éramos chamados para irmos para a cama e tínhamos de fazer o percurso de regresso a casa, com pouca luz ou às escuras, e as sombras dos montes de pedra, das charuteiras, dos tarrafes e das tamareiras, abanadas pelo vento, nos faziam evocar aquelas figuras.

Morríamos de medo e corríamos aos ziguezagues para as despistar, com esconjuros na boca!... Isso, sem falar ainda do facto de algumas das nossas casas, como a minha e a do André do Nhô Guste – mas este era destemido! – ficarem lá para as bandas do Cemitério de Inglês e do Cemitério Velho, ainda que desactivados há muito. O Cemitério Novo, o nosso dezoito-dois-oito pela data em que foi construído, 1888, ficava lá pelas bandas da Ribeira de Julião.

Dessas esquinas ficou-me o gosto pelas estórias, pelo desvendar de mistérios e pela busca de conhecimentos, o que havia de me levar ao estudo, à literatura e à etnologia de Cabo Verde.  

 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 828 de 11 de Outubro de 2017. 

terça, 17 outubro 2017 06:47 Publicado em Eitec

Estudo da eMarketer mostra que os consumidores usam cada vez mais vários dispositivos em simultâneo.

Um estudo da eMarketer concluiu que nos Estados Unidos os adultos estão este ano, em média, 12 horas e um minuto por dia conectados aos media em geral. O tempo gasto com os media digitais, definição que inclui computador, tablets, telefones com internet, chega às 5h53m.

As pessoas tornaram-se mais eficientes no multitasking, ou seja, cada vez mais fazem várias coisas ao mesmo tempo, sobretudo devido aos dispositivos móveis como smartphones ou tablets, que usam durante mais de um quarto do tempo total dessas 12 horas.

A empresa de estudos de mercado conta cada minuto de consumo de media independentemente de ser em várias plataformas em simultâneo. Por isso, o tempo total de consumo de media continua a aumentar, mesmo que o número de horas do dia continue o mesmo. Por exemplo: uma hora passada a ver televisão ao mesmo tempo que se está a usar um smartphone conta como uma hora de utilização para cada meio.

Em 2017, um adulto norte-americano ocupou mais dois minutos por dia com os media do que no ano passado e mais 24 minutos do que em 2012.

multitasking que envolve plataformas móveis é o principal responsável pelo aumento do tempo com os media. Os consumidores passam cada vez mais tempo em dispositivos móveis que, mais do que telefones, são verdadeiros centros de entretenimento, que servem para ouvir música, ver vídeos curtos e filmes, e jogar jogos. O que prolonga à exaustão o consumo de media.

A atenção que uma pessoa consegue dispensar aos media tem, no entanto, limites e, também por isso, apesar do tempo estar a aumentar, a progressão está a desacelerar. O tempo gasto com dispositivos móveis que não sejam telefones, como é o caso dos tablets, vai crescer 12 minutos em 2017 e será compensado pelo declínio no tempo passado com computadores de secretária ou portáteis, jornais e revistas em papel, rádio e, sobretudo, televisão.

Apesar disso, a televisão continua a ser o meio tradicional mais utilizado pelos adultos norte-americanos, que passam à sua frente três horas e 58 minutos por dia – menos sete minutos que no ano passado e pela primeira vez em muitos anos abaixo da linha das quatro horas por dia. E também é muito menos do que a própria eMarketer chegou a estimar que fosse este ano (quatro horas e 19 minutos). A previsão é que em 2019 baixe para três horas e 19 minutos.

Especificamente sobre as redes sociais, a empresa diz que os adultos norte-americanos passam em média 51 minutos por dia dedicados a plataformas digitais como o Instagram ou o Snapchat.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 828 de 11 de Outubro de 2017. 

segunda, 16 outubro 2017 16:03 Publicado em Política

O governo espera implementar o novo sistema de transporte marítimo inter-ilhas no início de 2018. A informação foi avançada hoje à imprensa pelo ministro da Economia e Emprego, José Gonçalves, à saída de um encontro com os operadores Marítimos, em São Vicente. A tutela quer todos os armadores reunidos numa única entidade. 

segunda, 16 outubro 2017 13:45 Publicado em Mundo

Começa hoje, na sede da ONU em Nova Iorque, a Semana da África 2017. O tema este ano é "Apoiando uma África integrada, próspera, pacífica e centrada nas pessoas: na direcção da implementação da Agenda 2063 e da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável".

segunda, 16 outubro 2017 13:03 Publicado em Cultura

A primeira edição da Morabeza – Festa do Livro, que se realiza entre os dias 30 de Outubro e 5 de Novembro, contará com a presença de 40 escritores convidados.

segunda, 16 outubro 2017 12:37 Publicado em Mundo

Um grupo de partidos políticos da Guiné-Bissau pediu ao secretário-geral da ONU a intervenção da comunidade internacional para a aplicação dos acordos de Conacri e Bissau, considerando-os como a "única solução pacífica para a crise vigente no país".

segunda, 16 outubro 2017 12:36 Publicado em Mundo

O número de mortos devido aos incêndios que deflagraram no domingo, em Portugal, subiu para 31, disse hoje à agência Lusa a adjunta de operações da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar.

segunda, 16 outubro 2017 12:04 Publicado em Sociedade

Um homem de 35 anos de idade foi encontrado morto, esta manhã, na Praia, nas imediações do Estado Maior das Forças Armadas. A hipótese de homicídio está descartada.

segunda, 16 outubro 2017 11:33 Publicado em Mundo

O partido Candidatura de Unidade Popular (CUP-Capgirem) quer que a Câmara Municipal de Barcelona declare o rei Felipe VI, entre outros membros da Casa Real, 'persona non grata' na cidade e que lhe retire as medalhas e honras concedidas.

segunda, 16 outubro 2017 10:35 Publicado em Sociedade

O IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local, que decorre de amanhã a sexta-feira, na cidade da Praia, será uma grande oportunidade de visibilidade de Cabo Verde a nível internacional e terá impacto quer do ponto de vista estratégico, quer económico, acredita a organização.

segunda, 16 outubro 2017 10:13 Publicado em Sociedade

O município do Porto Novo foi contemplado com dez mil contos para a recuperação de parcelas agrícolas, neste concelho, no âmbito de um contrato-programa firmado com o Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA).

segunda, 16 outubro 2017 09:50 Publicado em Política

Carlos Tavares foi hoje eleito presidente da Comissão Política Regional (CPR) do PAICV em Santiago Sul, numa eleição a que concorreu também o ex-deputado Nelson Centeio e que ficou marcada pela “fraca afluência” às urnas.

segunda, 16 outubro 2017 07:41 Publicado em Mundo

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, celebrou hoje o resultado das eleições regionais de domingo, vincando que foi uma "vitória nítida" para o "chavismo" que conquistou 75% dos cargos de governador do país.

segunda, 16 outubro 2017 07:27 Publicado em Desporto

O Ministério Público confirma que está a investigar suspeitas dos crimes de abuso de confiança e associação criminosa na Federação Cabo-Verdiana de Futebol, segundo informação disponível no site da Procuradoria-Geral da República.

segunda, 16 outubro 2017 06:41 Publicado em Cultura

Impulse – uma das mais conceituadas “labels” do Jazz, foi fundada nos EUA no início da década de 60.

É por muitos conhecida como a “Black-Orange Label”, devido ao cuidado “design” que caracterizam as suas capas (principalmente a lombada quase sempre laranja e preta). Ainda sobre a imagem dos seus discos, destaque para as magníficas fotos que fazem das Capas da Impulse perfeitas obras de arte.

Se a imagem é notável na “Impulse”, o catálogo não o será menos.

Grande parte é constituído pela discografia (ou parte dela) de vários nomes que foram fazendo a história do Jazz, não sendo exagerado dizer que quase dominou o panorama do Jazz entre as décadas de 60 e 70.

John Coltrane (não podendo aqui deixar de fazer referência ao seu magnifico álbum “Love Supreme”), Archie Shepp, Mc Coy Tyner, Coleman Hawkins, Duke Ellington, Charles Mingus…entre outros, são uma amostra da qualidade que a “Impulse”, conseguiu reunir.

Mas, para alem dos nomes que viriam a ser mais sonantes, o interessante desta etiqueta é também o facto de encontrarmos nomes menos conhecidos, porém de enorme qualidade.

Hoje, proponho para audição de um deles – Gabor Szabo.

Húngaro, direccionou os seus estudos musicais para o Jazz. Contudo a sua carreira, ou se quisermos o seu Jazz, é marcado pela influência da música húngara que tocava nas noites de Budapeste.

Muda-se para a famosa-América-do-Jazz, onde também participa em trabalhos da área do Pop-Rock.

Dono de uma fusão interessantíssima, e de um som da guitarra quase hipnótico, em 1967, exactamente para a “Impulse”, grava o maravilhoso “ The Sorcerer”, onde nos oferece uma das versões mais bonitas de um dos mais famosos temas da Bossa-Nova – “O Barquinho”. Aliás, quase que se poderia dizer que a calma que caracteriza este tema, caracteriza também a essência de todo o álbum…mesmo nos temas mais ritmados.

 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 828 de 11 de Outubro de 2017. 

domingo, 15 outubro 2017 16:26 Publicado em Mundo

O papa Francisco fez este anúncio hoje, na cerimónia de canonização de 35 novos santos. Este Sínodo extraordinário será para abordar os problemas da região da Amazónia, na América do Sul, e especialmente dos povos indígenas.

domingo, 15 outubro 2017 16:09 Publicado em Sociedade

Durante quatro dias, mais de 80 países, marcam presença no IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Local, que arranca terça-feira, na Cidade da Praia, com cerca de 2.000 mil participantes e 190 conferencistas.   

domingo, 15 outubro 2017 14:49 Publicado em Desporto

O candidato a presidente da direcção da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), Mário Avelino (Donnay), apresentou hoje, em São Vicente a sua candidatura.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version