Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

Hoje é dia de Expresso das Ilhas. Destaques da Edição 822

Nesta edição, o Expresso das Ilhas faz manchete com a entrevista a Jorge Maurício, PCA da ENAPOR: “O objectivo é uma concessão com um parceiro comercialmente forte”. Cabo Verde depende do mar. Nessa relação entre terra e o oceano, a ENAPOR é, há 35 anos, um intermediário fundamental. Uma das maiores empresas do país, com presença de Santo Antão à Brava, a ENAPOR garante a operacionalidade da rede nacional de portos, estruturas fundamentais para o transporte de mercadorias e passageiros entre as ilhas e imprescindíveis na ligação do arquipélago ao mundo. Mais recentemente, os portos tornaram-se elementos centrais na estratégia de internacionalização da economia. O país quer atrair os grandes navios de cruzeiro e concorre com outros portos da região pelo transbordo de contentores. O sector portuário é dinâmico e obriga a investimentos constantes. Depois das infra-estruturas, seguem-se os equipamentos.

 

 

 

Também neste número, Ministro das finanças dá pistas sobre Orçamento de Estado 2018. Começam a aparecer as primeiras revelações sobre o Orçamento de Estado para o próximo ano. Medidas para o financiamento à economia e para os transportes foram avançadas pelo Ministro das Finanças na sua rede social e foram garantidas soluções definitivas para os problemas. Os privados, para já, preferem esperar para ver, até porque, dizem, a economia não deu grandes sinais de retoma no último ano.

O policiamento comunitário, é outro dos destaques. Djuntando autoridades e comunidade. É um projecto que derruba a ideia da autoridade repressora e onde os agentes são, acima de tudo, uma ponte entre os munícipes e a Câmara Municipal da Praia (CMP). No Policiamento Comunitário e o foco é colocado na voz e necessidades da comunidade, que é envolvida em todas as fases de um problema: da sua identificação à sua solução. Castelão acolhe este projecto-piloto, onde confiança é o lema e cujos resultados têm sido um sucesso.

Iniciativa legislativa directa de cidadãos. Ninguém avança. Há dois anos atrás era aprovada pelo parlamento a Lei nº 98/VIII/2015 de 27 de Agosto, que regulamenta o direito de iniciativa legislativa directa de grupo de cidadãos eleitores. Prerrogativa estabelecida na Constituição da República, a lei que confere à democracia cabo-verdiana uma dimensão participativa (para além da representativa) não teve ainda eco junto à sociedade civil cabo-verdiana que continua a preferir o recurso às petições e aos lobbys para ver nascerem leis de seu interesse directo.

Calendário escolar 2017/2018 já é público. No dia 18 de Setembro começam as aulas em todo o país, desde o pré-escolar ao ensino secundário. Mas antes, e conforme o calendário escolar que o Ministério da Educação homologou no passado dia 17 de Agosto e está agora disponível no site do Governo, arranca o ano escolar 2017/2018 a 01 de Setembro.

No desporto, Cabo Verde coloca três atletas no pódio da Ultramaratona de Frankfurt.

No interior, a opinião de José Almada Dias, A ilha de Chiquinho no futuro; de Manuel Brito-Semedo, Antónia Pusich, Primeira mulher de Cabo Verde a publicar; e de Joaquim Arena, A morte do pai possível.

 

 

 

 

quarta, 30 agosto 2017 00:07

Deixe um comentário

Os campos com (*) são obrigatórios.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version