Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

TACV: «Assistiu-se à maior destruição de valores numa empresa pública cabo-verdiana» - ex-governante

O antigo secretário de Estado dos Transportes e Comunicações, António Maurício dos Santos, disse ontem que em relação à TACV se assistiu à “maior destruição de valores feita numa empresa pública cabo-verdiana”.

 

O antigo governante da década de 90 e trabalhador da TACV-Cabo Verde Airlines, fez estas considerações durante a audição em curso no quadro da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para averiguar os actos de gestão na transportadora aérea nacional.

António Maurício dos Santos, que ingressou na TACV em 1985, tendo desempenhado várias funções de direcção na transportadora aérea nacional, afirmou que assiste com “muita pena à destruição de uma das melhores empresas públicas do país”.

Na sua perspectiva, a TACV é uma empresa que foi “gerida com muito cuidado e que esteve sempre a acrescentar valor”.

Para Maurício dos Santos, a companhia aérea nacional começou a ter prejuízos quando deixou de “controlar os voos internacionais”, porque, segundo diz, “aí o investimento é muito elevado e, se não há ocupação do avião, os custos começam a ultrapassar os proveitos e, logo, os problemas”.

“Muita gente pensa que os TACV perdiam dinheiro no tráfego doméstico”, diz.

Na sua audição, o ex-dirigente disse que a companhia aérea nacional, além de “bem organizada”, era “totalmente auditada em termos de manutenção e operação”, pelo que em 2000 ia ser certificada pela Norma ISO 9001.

“A primeira medida do conselho de administração nomeado em 2001 foi extinguir o departamento de qualidade, que, na altura, era presidida pelo Dr. João Mendes, lamenta.

Além de “erros de estratégia”, o antigo trabalhador da TACV Cabo Verde Airlines entende que a transportadora aérea chegou à actual situação porque, a dado momento, a sua gestão foi entregue “às pessoas que não entendiam dos negócios dos transportes aéreos”.

 

quarta, 06 dezembro 2017 07:47

1 comentário

  • Nirvana 06-12-2017 Reportar

    De tudo o que venho seguindo e ouvindo a respeito da nossa companhia aérea TACV, esta é uma "peça informativa" muito importante e pela positiva, que vem adjudicar mais valor e moralizar "um pouco" os anteriores executivos e trabalhadores da TACV. Durante este processo "conturbado" da transportadora, não tenho lembrança de ter ouvido uma "mensagem, tão oportuna e moralizante", porque não foi só "destruição de valores", mas também de "desmoralização e uma certa ausência de sensibilidade", para os que sempre trabalharam e empenharam mantendo de pé a empresa e dignificando o País. Os problemas sempre existiram e vão continuar existindo, mas "quand même"... Bem haja Sr. António Armindo dos Santos, este artigo foi um bálsamo e uma prenda de Natal.
    Que venham muitos mais "Maurícios" prestando o seu testemunho. A bem do País e dos Caboverdianos! Um Feliz Natal a todos os trabalhadores deste País.

Deixe um comentário

Os campos com (*) são obrigatórios.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version