Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

Angolanos e são-tomenses em Cabo Verde pedem ligação directa entre os três países

Angolanos e são-tomenses residentes em Cabo Verde queixam-se que estão "presos" no território após o fim dos voos directos da transportadora aérea angolana TAAG entre Luanda e Praia e pedem uma solução aos três Governos.

 

A TAAG - Linhas Aéreas de Angola - suspendeu no final do ano passado os voos directos entre Luanda e Praia, com escala em São Tomé e Príncipe, alegando que a rota não era rentável.

Na altura, o Presidente do Conselho de Administração (PCA) da empresa, Peter Hill, apelou ao Governo de Angola para subsidiar o voo e ao de Cabo Verde para, por exemplo, baixar o custo de combustível ou diminuir as taxas aeroportuárias.

O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, disse que o seu executivo não iria subsidiar ou conceder isenções aos voos da TAAG, lembrando que a companhia de bandeira do arquipélago, a TACV, enfrenta "problemas que bastem" de sustentabilidade.

Desde então os angolanos e são-tomenses residentes em Cabo Verde queixam-se de que enfrentam muitas dificuldades para visitar os seus países, quer em férias quer em negócios.

Na semana passada, os são-tomenses residentes em Cabo Verde realizam uma marcha na cidade da Praia para protestar contra a falta de ligação directa, denunciar todos os constrangimentos causados, bem como apelar a uma resolução do problema a nível governamental.

"Cortaram os voos e ficamos sem condições de viajar para São Tomé", protestou João Martins de Pina, presidente da Associação dos São-tomenses residentes em Cabo Verde, em declarações à agência Lusa.

O líder associativo lembrou que o voo direito Luanda-São Tomé-Praia custava pouco mais de 30 contos, mas agora, com uma escala em Lisboa, custa cerca de 110 contos, ida e volta.

"Não temos condições para viajar", lamentou João de Pina, indicando os vários constrangimentos com a falta de voos directos e baratos.

"Somos descendentes de cabo-verdianos, sustentamos os nossos familiares lá também, havia negócio entre os dois países e havia a perspectiva que as pessoas estavam um pouco orientadas. Agora sem esse voo directo estamos parados", mostrou.

Depois da marcha, João de Pina disse que ainda nada aconteceu, mas continua a apelar às autoridades que arranjem "pelo menos um voo" directo entre os três países.

"Os Governos de São Tomé, Cabo Verde e Angola devem ver isso. Um voo uma vez por mês já nos satisfaz. Não queremos pedir mais porque sabemos das despesas da aviação", afirmou, dizendo os são-tomenses são os "mais sofridos" porque não há uma representação diplomática do país em Cabo Verde.

"Segundo informações já foi nomeado um embaixador, mas alegam que não há verba para o instalar em Cabo Verde e ele ainda está em São Tomé", disse, adiantando que obter algum documento fica mais complicado e que qualquer problema tem de ser resolvido pela associação.

Quem também está a sofrer com o fim dos voos direitos da TAAG são os angolanos residentes em Cabo Verde, conforme avançou esta semana à Lusa Matilde Pereira, presidente da Associação.

"Sofremos os mesmos problemas porque muitos angolanos pensem em vir para Cabo Verde para conhecer o país, mas têm dificuldades. Temos uma comunidade que veio para Cabo Verde em 1975 e há pessoas que já têm condições para regressar a Angola, mas não podem ir porque não temos transportes", lamentou.

"Penso que este voo, que era o único directo, deixa muita falta. Agora as pessoas têm que ir via Portugal ou Marrocos, enquanto via São Tomé ficava muito melhor para nós e para os são-tomenses", mostrou, recordando que antes o preço dos voos era "razoável".

Para a presidente da Associação dos Angolanos residentes em Cabo Verde a solução passa por retomar o voo e fazer preços mais acessíveis, porque só assim, considera, vai atrair mais gente com vontade de viajar entre os três países africanos lusófonos.

Matilde Pereira indicou que as duas associações, juntamente com os cabo-verdianos, vão unir esforços para procurar uma solução para o problema, mas não descarta também a possibilidade de os angolanos realizarem uma manifestação de protesto na cidade da Praia.

 

sexta, 03 novembro 2017 07:36

4 Comentários

  • Kidman barros 08-11-2017 Reportar

    Isso tudo e politica....bastou o partido a oposicao ganhar..tirarm os voos directos

  • joão gomes 03-11-2017 Reportar

    ...não se preocupem por agora, pois, esse caso resolverá em 2021! Neste momento a preocupação vai para o "devino" pa danu djuba...(assunto caricato, que até os políticos exploram), pa danu padja pa nu dá nos limária!!!!

  • Maria Jose 03-11-2017 Reportar

    Tratou-se de um voo politico. Um voo MPLA-PAICV. Tanto é que nunca a TAG solicitou subsidio ao Governo do PAICV durante muitos anos a voar. Um dia desses seria a TAP a soliicitar subsidios ao Governo.
    Por outro lado fazem Praia/Lisboa/S.Tomé. Eu nao faco New York/Frankfurt/Lisboa Praia/New York quase todos os anos... O meu irmao faz Munique/Lisboa/Mindelo... Porque os voos tem que ser directos? Cabecas de galinha.

  • Elísio Semedo 03-11-2017 Reportar

    Foram conscientes e pediram apenas um voo mensal. Isso também é inviável financeiramente. Os três países devem ter um entendimento e pode ser memo voos alternados mensalmente. Uma vez TAAG e outra vez TACV. Se houver boa vontade, mesmo os TAP podem garantir esse voo. Com os três países é possível ter cada um deles um voo trimestral. OS TAP, de Portugal para Angola, muito bem poderiam fazer essa cobertura. Tanto na vinda como no regresso, de certeza, teria voo sempre cheio. É ver se a parte humana acompanha essa parte financeira. Não se pediu muito.

Deixe um comentário

Os campos com (*) são obrigatórios.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version