Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

AME: Abraão Vicente disse que a decisão já está tomada

Abrãao Vicente Abrãao Vicente

O Ministro da Cultura e Indústrias Criativas, disse hoje que o Governo está disponível para fazer lobby, junto dos privados e mobilizar parceria privada para realização do Atantic Music Expo (AME), e que a nível do Orçamento do Estado, a decisão já está tomada e não haverá investimento por parte do Ministério da Cultura para esse evento. 

 

Abraão Vicente fez essa declaração, esta segunda-feira, no final do acto de assinatura do plano de execução do Acordo de Cooperação Bilateral rubricado entre Cuba e Cabo Verde.

“Tomámos essa decisão e agora estamos abertos para que os parceiros tenham ousadia de dizer que vão avançar e que querem apoio. Disponibilizamos as nossas instalações, podemos tentar mobilizar parte deste fundo junto dos privados, como sempre fizemos”, sublinhou.

O governante afirmou que como gestor público foi uma decisão bastante difícil, por ser um evento enraizado na Cidade da Praia. “E quando penso a nível nacional não é justo que um terço do investimento do Ministério da Cultura seja localizado apenas num evento que dura três dias”.

Abraão Vicente explicou ainda que perante o plafond que foi disponibilizado ao Ministério da Cultura, tinha duas alternativas “ou financiamos um evento de três dias, transferindo directamente 22 mil contos, sendo que 18500 contos para a Harmonia e 2500 contos para Womex, e bloqueávamos aquilo que é o desenvolvimento do programa do Governo, nos outros sectores, ou fazíamos uma opção estratégica, dizer que vamos desempoderar as instituições do Ministério da Cultura”.

“Com essa distribuição, nós dissemos claramente, num encontro que tivermos com o Ministério da Finanças que optamos por não contemplar os 22 mil contos no AME, porque não acreditamos que seja justo bloquear o funcionamento do Ministério da Cultura para financiar os privados”, acrescentou.

Consciente que o AME é um evento que projecta a imagem do país, e que seu objectivo é internacionalizar a música e os artistas cabo-verdianos, Abraão Vicente questiona sobre os resultados do evento.

“Quando vamos ver o resultado, ou seja, quantos artistas foram internacionalizados com contratos fixos, gravação de CD e número de concertos? Este ano, por exemplo, tivermos três/quatro artistas com contrato de concertos, mas mesmo estes concertos foram solicitados os bilhetes de passagem para esses artistas”, sublinhou.  

De referir que o Ministério da Cultura e Indústrias Criativas, anunciou na semana passada, através de um comunicado, que não vai financiar o Atlantic Music Expo 2018.

 

segunda, 13 novembro 2017 16:06

2 Comentários

  • Filomeno 15-11-2017 Reportar

    O AME tem trazido pouco de cultura, é mais um intretenimento para ferias de uns grupos.
    Pouoem este pobre estado

  • Sócrates de Santiago 13-11-2017 Reportar

    Se não há dinheiro para o AME, como é que se vai realizar a feira do livro, no próximo ano, em S.Vicente? Só para se ter uma ideia: a Feira do livro custa muito mais do que o AME. O Estado gasta cerca de 22 mil contos para o AME e este ano, só para a feira do livro, o Estado gastou cerca de 100 mil contos. Não havendo dinheiro para o AME, nesta ordem de ideia, não deverá também haver dinheiro para financiar a feira do artesanato (URDI), em S.Vicente, o Carnaval em S.Vicente e S.Nicolau e outras festanças que se fazem ali nas illhas do norte. Ou será que o dinheiro só não existe quando os eventos culturais são das ilhas do Sul, mormente a ILHA DE SANTIAGO e a Cidade da PRAIA, em particular? Não acham senhores Primeiro Ministro e Ministro da Cultura, BADIOS DE SANTIAGO como eu, que, agindo desta forma, estão assassinar a cultura em SANTIAGO e na CIDADE DA PRAIA? Os senhores assassinos ainda nada fizeram por esta GRANDE ILHA DE SANTIAGO, ao menos que nos deixem com a nossa cultura, com as nossas actividades culturais, pois, indubitavelmente, somos a ILHA MAIS CULTURAL DE CABO VERDE. Como diz o outro, "É NA CULTURAL KI NÓS É BON Y ES LI NINHUM GOVERNU, NINGUÉN KA TA TOMA".

Deixe um comentário

Os campos com (*) são obrigatórios.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version