Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

Expresso das Ilhas - Actualidades
quinta, 19 outubro 2017 17:33 Publicado em Sociedade

De um total de 230 projectos, definidos sobre uma base participativa e elencados pelos Estados-membros da CEDEAO, sete foram definidos como altamente prioritários pela Comunidade. Entre estes estão o projecto dos transportes e da energia, vistos como fundamentais para a circulação da economia intracomunitária e materialização da visão 20-20. Destaque para o projecto de transportes marítimo Sealink, que vai “permitir a Cabo Verde ficar também no caminho da integração”.

quinta, 19 outubro 2017 17:30 Publicado em Mundo

Pelo menos cinquenta pessoas morreram hoje num ataque perpetrado por membros da milícia cristã 'antibalaka' na localidade de Pombolo, no sul da República Centro-Africana, segundo a MINUSCA, a missão da ONU nesse país.

quinta, 19 outubro 2017 16:49 Publicado em Política

O presidente da Associação dos Municípios Cabo-verdianos (ANMCV), Manuel de Pina, disse hoje que o IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local no país vem "dinamizar ainda mais" o que está a ser feito em matéria de desenvolvimento local.

quinta, 19 outubro 2017 16:44 Publicado em Política

O PAICV em São Vicente alertou hoje para a iminência de um despedimento na Frescomar. Em causa, o suposto impasse entre a Câmara Municipal e a conserveira sobre a melhor forma de resolver o problema da rede de esgotos no Lazareto.

quinta, 19 outubro 2017 14:28 Publicado em Sociedade

O advogado Amadeu Oliveira afirmou hoje que existe um polvo mafioso instalado dentro do sistema judicial nacional que impede o desenvolvimento da justiça no país. O jurista diz que a situação começa nas Comarcas e chega mesmo ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

quinta, 19 outubro 2017 14:06 Publicado em Política

Ordenados até 80 mil escudos vão beneficiar de uma redução de 1% no IUR, anunciou hoje, em conferência de imprensa, o ministro da Presidência do Conselho de Ministros, Elísio Freire.

quinta, 19 outubro 2017 13:28 Publicado em Sociedade

A ENAPOR reage com estranheza à notícia de que a Frescomar CPCI deixou de receber o pescado das embarcações nacionais, devido a um alegado impasse numa negociação entre a concessionária dos portos e o Grupo Ubago sobre aspectos financeiros da concessão do Complexo de Pesca da Cova da Inglesa. A empresa dos portos relembra: "há um contrato". 

quinta, 19 outubro 2017 10:30 Publicado em Política

A Associação Nacional dos Municípios de Cabo Verde (ANMCV) estabeleceu ontem um protocolo de colaboração com congéneres de Itália e Brasil.

quinta, 19 outubro 2017 09:42 Publicado em Sociedade

Na sua segunda experiência como presidente da câmara, Edinho Silva fala com orgulho do município de Araraquara, no interior do Estado brasileiro de São Paulo, que transformou catadores de lixo numa cooperativa de recicladores.

quinta, 19 outubro 2017 09:13 Publicado em Economia

O Complexo de Pesca da Cova da Inglesa, Frescomar CPCI, deixou de  de receber pescado das embarcações nacionais. Em causa o alegado impasse numa negociação entre a Enapor e o Grupo Ubago sobre aspectos financeiros da concessão do complexo. 

quinta, 19 outubro 2017 08:49 Publicado em Mundo

O presidente do Governo catalão insistiu hoje que “a suspensão [da declaração de independência] continua em vigor”, mas ameaça votar formalmente essa independência no parlamento regional se Madrid avançar com a suspensão da autonomia regional.

quinta, 19 outubro 2017 06:19 Publicado em Opinião

Cabo Verde, de um momento para o outro, vê-se misteriosamente coberto por uma espécie de nuvem densa de “pó di terra artificial” provocada simplesmente com o objetivo de cegar a nação, instigar o pânico geral, impedir o Governo de implementar as grandes medidas que vem tomando e inviabilizar os projetos que integram o seu programa, desde cedo assumidos como compromissos e não como simples promessas eleitorais.  

Ameaças de greve, algumas sem sentido porque não têm em vista o interesse dos trabalhadores, manifestações estranhas porque dificilmente enquadráveis num estado de direito democrático, enfim, Cabo Verde atravessa um momento especial, fértil para aqueles que se dedicam ao estudo do comportamento de grupos sociais, mas também suscetível de ampliar o acanhado espaço de análise política a que estamos habituados.

Matisse, pintor Francês de projeção mundial (acho que foi ele mesmo) chegou a dizer o seguinte:

“Acredito em Deus quando há trabalho. Quando não há ele desaparece”.

Eu não sei que Deus ele seguia ou acreditava. Mas isso não importa.

Como cristão que sou direi a mesma coisa mas de forma diferente:

Acredito em Deus quando há trabalho. Quando não há o diabo fica à solta.

A mentira, como todos sabemos, é a maior arma do diabo. Quem não se lembra da história da maçã?

Da mesma forma que o diabo enganou a Eva e o Adão, hoje, disfarçado de amigo do povo, ele, ele mesmo, o diabo, vem dizer que é o atual Governo o responsável pelo desemprego em Cabo Verde e também por todos os problemas herdados que, diga-se de passagem, este Governo encara naturalmente como desafios.

Ao Diabo não se pede compaixão, mas do povo espera-se justiça e compreensão.

Há dezasseis meses, quando o atual Executivo tomou posse, chegava a ser alarmante o número de desempregados que a anterior governação produziu, podendo caraterizar-se mesmo como calamitosa a situação vivida em S. Vicente, na altura. Acho que todos nos lembramos disso mas o Governo de Ulisses Correia e Silva não pretende nem precisa olhar para trás.

O Governo prometeu, e é isto que interessa, criar nos próximos cinco anos de mandato, quarenta e cinco mil empregos. E está no caminho certo. Vejamos alguns bons exemplos:

A ENAPOR funciona, pela primeira vez, com base num modelo de gestão empresarial profissional orientado para resultados visando toda a cadeia de negócios marítimo e portuário. Para além de projetos de grande alcance, como o PLANO ESTRATÉGICO PARA OS PORTOS DE CABO VERDE que aponta para o horizonte de 2030, a empresa vem tomando medidas ágeis, como a redução da taxa de transbordo de pescado, a redução da taxa de exportação de contentores, de entre outras iniciativas que começam a dar frutos e a contribuir para o aumento do emprego em S. Vicente. Na anterior gestão a ENAPOR funcionava com uma lista de apenas cento e cinquenta efetivos na estiva. Já com a atual Direção e uma nova política, a empresa conseguiu empregar mais de mil estivadores este ano, com tendência para que esse número cresça nos próximos tempos. Isto tudo só foi possível porque a empresa conseguiu atrair mais navios, circunstância que permitiu o extraordinário aumento registado de mão-de-obra portuária.

De assinalar que, com o financiamento da China, está em curso um estudo de viabilidade económica para a Zona Económica Especial Marítima centrada em S. Vicente, com capacidade para projetar a sua influência às outras ilhas do norte.

Deixando o setor da economia marítima e passando para o do ordenamento do território, queria chamar a atenção para o PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO, REABILITAÇÃO E ACESSIBILIDADE que teve o seu início este ano e que durará três anos. Já foram assinados com as Câmaras Municipais do Sal e da Boavista contratos programas num valor superior a dois milhões de contos, com prazos de execução dos projetos fixados em 56 meses.

Novas habitações, em substituição de casas de tambor, adaptadas à realidade sociológica das camadas beneficiárias, serão construídas principalmente nas cidades mais atingidas pelo fenómeno de habitações espontâneas.

Encontram-se já em curso alguns projetos com alguma importância nos vários ministérios e muitos outros, os mais importantes, estão numa fase de preparação avançada, praticamente em vias de concretização.

Custa a acreditar, mas curiosamente é aí que reside todo o problema de instabilidade artificial que se pretende criar a todo o custo à volta deste Governo. Este é o momento e a oportunidade para aqueles que colocam os interesses pessoais ou de grupo à frente dos interesses de Cabo Verde. Urge, pois, desacreditar individualmente cada membro do Governo ou o Executivo no seu todo.

Não há muitos dias passava eu, por volta das oito da noite, junto ao edifício das Finanças. Estava à porta um carro cinzento, solitário, no estacionamento destinado ao ministério. Perguntei à pessoa que ia ao meu lado a quem pertencia esse jeep e, sem mais delongas, retorquiu: Claro que só pode ser do Sr. Ministro das Finanças. Ele normalmente chega antes das oito de manhã e sai sempre depois das oito da noite, com um ligeiro intervalo para o almoço. Ele tem a fama de ser o primeiro a chegar e o último a deixar o ministério. Aquele homem trabalha demais, dizia a pessoa que me acompanhava.

Pois é! Eles sabem que este Governo trabalha muito. Também não ignoram que Cabo Verde é um país cada vez mais credível, com maior capacidade de atração do investimento externo e de mobilização de recursos internos. Não é por acaso que no ano passado o país registou uma “taxa de crescimento quatro vezes superior à média do crescimento conseguido nos últimos sete anos da governação anterior”. Tudo indica que o país irá atingir este ano uma taxa de crescimento de 4%, com tendência para aumentar até ao final do mandato. Nessa altura Cabo verde poderá atingir uma taxa de 7 %.

Portanto, para eles, é agora ou nunca! Ou quebram neste momento o ambiente de otimismo e de esperança que este Governo transporta, ou estão tramados.

Mas os cabo-verdianos já viram este filme. Os próximos de belzebu tentaram fazer a mesma coisa com o Dr. Ulisses Correia e Silva quando foi eleito pela primeira vez presidente da Câmara da Praia. Com a inteligência, a determinação e a serenidade que se lhe reconhece ele venceu. Ulisses conseguiu colocar a Praia num patamar jamais visto.

O povo que votou Ulisses Correia e Silva e que o colocou à frente dos destinos de Cabo Verde como primeiro-ministro tem todas as razões para manter o otimismo e a esperança no homem que disse que a Praia tinha solução.

Hoje, mais do que nunca, não duvido que é preciso cortar o rabo ao Diabo se quisermos avançar.

Santo Antão, 8 de Outubro de 2017

 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 828 de 11 de Outubro de 2017. 

quarta, 18 outubro 2017 17:08 Publicado em Sociedade

O presidente da plataforma das Organizações Não Governamentais (ONG), Jacinto Santos, disse hoje que, independentemente do figurino que se vier a encontrar, o país deve dar prioridade à regionalização económica.

quarta, 18 outubro 2017 17:05 Publicado em Mundo

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, afirmou hoje que "não compactua" com actos que atentam contra a estabilidade do país e condenou o incidente registado na sede nacional do PAIGC.

quarta, 18 outubro 2017 14:29 Publicado em Mundo

Um grupo de jovens tomou hoje de assalto a sede nacional do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), na capital da Guiné-Bissau, tentando impedir os militantes de entrar, e as duas partes acabaram em confrontos.

quarta, 18 outubro 2017 13:21 Publicado em Sociedade

A Frescomar e os seus trabalhadores manifestaram-se hoje em frente à Câmara Municipal de São Vicente, alegando que a autarquia cortou a saída de esgoto da conserveira, sem aviso prévio. A Câmara nega a acusação e diz que apenas resolveu o problema de vazamento no Lazareto.

quarta, 18 outubro 2017 13:13 Publicado em Cultura

Comemora-se hoje, o Dia Nacional da Cultura e das Comunidades. Vrias actividades vão acontecer um pouco por todo o país para assinalar a data.  

quarta, 18 outubro 2017 12:59 Publicado em Mundo

Cerca de 70 pessoas estão desaparecidas depois do ataque terrorista que no sábado fez mais de 300 vítimas e deixou à volta de 400 feridos. O governo está a pedir aos cidadãos que façam doação de sangue nos hospitais.

quarta, 18 outubro 2017 12:01 Publicado em Cultura

A Companhia de Teatro Fladu Fla realiza de 19 a 25 de Outubro, o Festival Nacional do Teatro (Tearti), na Cidade da Praia. Este festival terá participação de grupos de teatro das outras ilhas e concelhos do país.   

quarta, 18 outubro 2017 10:34 Publicado em Cultura

O director regional da UNESCO em Dacar, Gwang-Chol Chang, recomendou ontem a Cabo Verde a ratificação de algumas convenções relacionadas com o património imaterial, numa altura que o país quer candidatar a morna a património da Humanidade.

quarta, 18 outubro 2017 09:16 Publicado em Mundo

A vice-presidente do governo espanhol confirmou hoje que Madrid admite suspender totalmente ou parcialmente a autonomia da Catalunha se os dirigentes separatistas não renunciarem à declaração de independência, num prazo de 24 horas.

quarta, 18 outubro 2017 08:38 Publicado em Desporto

Mário Semedo e Mário Avelino são os dois candidatos à presidência da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), nas eleições antecipadas de 28 de Outubro, anunciou ontem o presidente da comissão eleitoral, António Semedo.

quarta, 18 outubro 2017 07:58 Publicado em Mundo

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, disse esta terça-feira, na cidade da Praia, que o país já não tem problemas políticos e que são os próprios guineenses que devem encontrar solução para os seus problemas.

quarta, 18 outubro 2017 07:20 Publicado em Sociedade

A subsecretária-geral das Nações Unidas, Fekitamoeloa Katoa Utoikamanu, disse ontem, na cidade da Praia, que não há tempo nem esforços para desperdiçar se se querem tornar realidade os objectivos de desenvolvimento sustentável em 2030.

quarta, 18 outubro 2017 06:16 Publicado em Opinião

A falta de dinheiro é uma dor a que nenhuma outra se compara

(François Rabelais) O dinheiro, enquanto mecanismo privilegiado de troca generalizada e criador de riqueza, constitui-se, sem qualquer margem de dúvida, num valor essencial, em contexto de modernidade, ao mesmo tempo que confere e reforça o poder social, o estatuto e o prestígio e a reputação dos indivíduos, no quadro da economia monetária diferenciada e das relações marcadas por profundas assimetrias e desigualdades de classe. Convenha-se, todavia, que nesse processo de acumulação de riqueza no qual o dinheiro se posiciona, dentro de uma escala convencional, como o maior de todos os valores, numa sociedade, à partida, estratificada onde os actores sociais criam relações de interdependência, ou estabelecem contactos e interacções sociais de reciprocidade, no quadro da construção da dita cultura do dinheiro (Fredric Jameson).

Com efeito, enquanto convenção social facilitadora de regulação da produção e do mercado e instrumento de poder e de maior “liberdade de movimentos e dependência e autonomia da personalidade”, parafraseando Georg Simmel, ensaísta prolífico e enciclopédico, o dinheiro transformou imensamente as relações sociais e mercantilizou-as (Nildo Viana), resultando do processo de diferenciação maior individualização dos sujeitos, em prol da afirmação da distinção social tão apregoada por Pierre Bourdieu. Daí que o dinheiro, cujo valor económico se revela inegável, na cultura moderna, aliado ao seu fetichismo intrínseco e, ainda, à importante função de mobilidade que consigo arrasta nas ditas sociedades de consumo, tenha sido, desde sempre, objecto de reflexão por parte de eminentes cientistas sociais à dimensão de Marx, Keynes ou Weber, com destaque especial para Simmel, cujo olhar próprio do social, em contraposição à perspetiva sistémica durkheimiana, ou marxista, se se quiser, lhe terá permitido, através, particularmente, da sua grande obra A Filosofia do Dinheiro, publicada no ano de 1900, compreender as consequências da invenção, introdução e difusão social desse poderoso meio de troca indireta de abrangência universal.

Todavia, salvaguardadas as devidas distâncias e proporções e independentemente das suas inegáveis vantagens, não é de estranhar que, numa economia de mercado de paradoxos como a cabo-verdiana, se manifestem, igualmente, certos comportamentos negativos, em confronto com a força esmagadora do dinheiro, em resultado do afrouxamento dos mecanismos de solidariedade e dos laços de coesão, na busca permanente e insaciável da satisfação plena dos desejos dos sujeitos e da sua felicidade.

Na ausência de uma economia competitiva que gere emprego, agravada pela persistência de acentuados índices de pobreza e, ainda, pela permanência de salários que não se compadecem, de forma alguma, com estilos de vida urbanos típicos de uma sociedade consumista onde prima a livre concorrência e perante a perspetiva de mau ano agrícola com impacto previsível sobre o êxodo rural, o poder aquisitivo das populações e o aprofundamento das desigualdades sociais, a gestão do orçamento familiar e a “corrida” ao dinheiro perfilam-se como potencial fonte de relações conflituais e, ao mesmo tempo, de pressão sobre os poderes públicos e as instituições nacionais competentes.

Em boa verdade, a repartição assimétrica da estrutura orçamental das várias categorias socioprofissionais, para além de se concentrar nas despesas correntes e obrigatórias (renda de casa, luz, água, alimentação, escola dos filhos, saúde, etc.), favorece o consumo conspícuo ou vistoso de famílias urbanas, que usam o dinheiro, enquanto mecanismo transmissor de poder social e de valor simbólico, na chamada “terapia das compras” (Furnham e Argyle) e em gastos considerados supérfluos, movidos pelo prazer, pelo divertimento e pelo recreio, socorrendo-se, por via de regra, do crédito bancário, em detrimento da poupança considerada uma “protecção contra o risco económico” (Dahlbach).

A gestão pouco rigorosa do orçamento de famílias cabo-verdianas, sobretudo das camadas mais jovens, assente em valores consumistas próprios de uma economia de mercado, é um factor de endividamento que, de forma cíclica e sob efeito do mimetismo, se vai reproduzindo e gerando mecanismos perversos de dependência dos chamados “gastadores de dinheiro”, mormente num contexto nacional de crise económica e financeira marcada, também, pela persistência da carga fiscal sobre os contribuintes e pela criação de impostos responsáveis, em última análise, pela aceleração do processo de degradação do poder de compra dos consumidores. De facto, hoje em dia, conflitos no seio de famílias endividadas e coagidas a fazer contas à vida multiplicam-se, e, na prática, intervêm como potencial fator de instabilidade do agregado, em razão direta da grandeza do sufoco financeiro e dos projetos de vida, na linha, aliás, do célebre adágio “casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão”.

Diante da falta de dinheiro e da necessidade de se reduzirem, ao mínimo, os níveis de conflitualidade no seio de famílias endividadas, que penaliza, sobretudo, jovens que contraem empréstimos junto de instituições de crédito, impõe-se a adopção de estilos de vida próprios que se compatibilizem com os respetivos rendimentos e encargos familiares, mas, igualmente, estejam em sintonia com a construção paciente de uma cultura de poupança que, basicamente, reduza o consumo conspícuo ou ostentatório de bens e serviços, em função das normas sociais, dos valores do grupo ou da sua cultura e tendo em mira a segurança e a estabilidade.

No fundo, impõe-se, igualmente, na sociedade cabo-verdiana, onde, de resto, já são visíveis índices de troca, a mudança de atitudes perante o dinheiro, no âmbito de um processo de socialização económica que comece na família, regule e reoriente os gostos e os respetivos padrões de consumo, em razão do orçamento, das caraterísticas identitárias, dos valores e da experiência de cada um, e se lhe dê o devido valor enquanto, também, mecanismo de mobilidade social ascendente, sem que, todavia, se ostente o sucesso económico, se caia em tentações, ou se feche sobre si próprio, na perspetiva da satisfação das necessidades básicas e dos desejos, da confiança no futuro, do bem-estar e da felicidade.  

 

 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 828 de 11 de Outubro de 2017. 

quarta, 18 outubro 2017 06:06 Publicado em Sociedade

O Presidente da República disse que não há desenvolvimento local sem actores locais capazes de exprimir os seus problemas, de construir soluções adequadas e de negociar com as autoridades centrais e parceiros internacionais as formas de as executar.

terça, 17 outubro 2017 17:20 Publicado em Sociedade

O pessoal operacional afecto à delegação do Ministério da Educação em Porto Novo, Santo Antão, ameaça entrar em greve no final deste mês, seguida de uma acção judicial no tribunal contra a tutela. Em causa, a não inscrição no INPS.

terça, 17 outubro 2017 14:56 Publicado em Cultura

No âmbito das celebrações do Dia Nacional da Cultura, que se assinala esta quarta-feira, 18, o Governo decidiu prestar tributo a uma geração de artistas e criadores.  

terça, 17 outubro 2017 11:54 Publicado em Sociedade

Mais de 700 efectivos da Polícia Nacional (PN) vão estar envolvidos na implementação do plano de segurança do IV Fórum de Desenvolvimento Económico Local, que começa hoje, na Praia. 

terça, 17 outubro 2017 11:26 Publicado em Desporto

Cabo Verde subiu três posições no “ranking” da FIFA, actualizado segunda-feira, apesar da derrota sofrida frente ao Senegal, em jogo de qualificação africana para o Mundial de futebol de 2018.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version