Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

Expresso das Ilhas - Actualidades
quarta, 24 maio 2017 06:31 Publicado em Cultura

Rodiá um currintim na ded

E puli es rua d’Soncente

Sô ta criticá na vida d’gente

Espiá trabóie d’home ta fazês mêde

 

“Holandeza q’certeza”

 

Ó Frank bô ê tão mau

Deus ta na céu quê pal oiá

 

“Resposta Menininha d’Monte Sossego”

 

MANUEL D’NOVAS

 

A coladeira é um género de música nascido nos anos 1930, consolidando-se nos anos de 1940 e 1950, atingindo o seu auge nas décadas de 1960 e 1970.

Com dois polos de desenvolvimento, São Vicente, Mindelo, com Gregório Gonçalves [Ti Goi] (São Vicente, 1920 – 1991), Francisco Vicente Gomes [Frank Cavaquim] (Santo Antão, 1927 – 1993) e Manuel Jesus Lopes [Manuel d’ Novas] (Santo Antão, 1938 – 2009); e Santiago, São Domingos e Praia, com Fulgêncio Tavares [Ano Novo] (Santiago, 1932 – 2004) e Abílio Barbosa Évora [Bilocas] (Praia, 1938 – 1988), a coladeira caracteriza-se por retratar nas suas letras o dia-a-dia das gentes do povo, as peripécias do amor, as paródias, os ridículos, as suas “riolas”, de uma forma satírica e, por vezes, picante.

Ti Goi, Frank Cavaquim e Manuel d’Novas, para além dos seus dons de compositor, tinham facilidade e tempo para observar o que acontecia à sua volta captando situações que transformaram em belíssimas coladeiras.

A propósito, conta-se que uma vez Manuel d’Novas entrou no Café Royal, por volta do meio-dia, quando havia muitos clientes a tomar o seu aperitivo e a conversar. Manuel saudou a todos dirigindo-se ao balcão para pedir a sua bebida. De imediato, fez-se silêncio. Intrigado, Manuel d’Novas volta-se, ficando de frente para o grupo, e pergunta porque se tinham calado logo que ele entrou. Tchuna, o dono do Royal ter-lhe-á respondido nos seguintes termos:

– Nós?! Para nos tirares na coladeira? Nem flaça!

Ao que todos desatam numa boa gargalhada, incluindo Manuel d’Novas. De recordar, a propósito, as suas coladeiras “Avenida Marginal”, “Cabêl tchumscód”, “Camim de Maderalzim”, “Cmê catchôrr”, “Cumpade Ciznóne”, “Môrt d’um tchuque”, “Saragaça”, “Vrá tchife”, entre outras.

Frank Cavaquim e Manuel d’Novas, apesar de compadres e amigos inseparáveis, andavam permanentemente em “disputas”. Frank, irónico e sarcástico, denunciava o comportamento das mulheres de São Vicente que gastavam o dinheiro enviado pelos maridos emigrados na Holanda, enquanto Manuel, apresentava-se como o advogado do sexo feminino, o que levava, por vezes, a arrufos e cortes de relações por curtos períodos. Segundo o filho Nei Lopes, Manuel levava isso na “descontra” e continuava a aparecer em casa do Frank, como habitualmente, para ver a afilhada e cumprimentar a comadre.

Segundo Francisco Sequeira, um veterano da Rádio Barlavento, em São Vicente, essas disputas eram próprias do espírito provocador do Frank Cavaquim, o que dava direito a resposta e, por vezes, até a contra-resposta. Foi assim com Manuel d’Novas, foi assim com Djondjon (João de Deus Cardoso) e foi assim também com Luís Morais.

Nos inícios de 1960, Frank Cavaquim compõe “Holandeza” onde retrata a situação e o comportamento das mulheres dos emigrantes que trabalhavam duro na Holanda, as “holandezas”:

Nos terra ta chei d’holandeza / Qu’ca ti ta da nos trabai valor / Es qré so fazé grandeza / Qu’esse dnhirim ganhod co temor / Na mei de tud amargura.

A frivolidade dessas mulheres é revelada no vestir de novas-ricas – Bsti d’nylon dritim pa bonk / La és t’incontrá qu’tud ses laia; no tipo de conversa – Tont guilda qu’bo otcha d’Holanda / A mim m otcha duzents guilda / E bo també tonte qu’bo otcha / A mim m otcha cent’cinquenta; e no espírito de esbanjamento – / El ca ti ta bem dam pa nada / No ta consola co’esse poquim.

Manel d’Novas considera injustas as críticas e responde com outra coladeira, “Holandeza q’certeza” – Nôs é Holandeza q’certeza / Ta lutá vida sem suberba /Quem qu’ê culpóde sês ca tem verba / P’êstambemestranger / Trabaiá na largueza / Qu’ê p’ês largá saia d’amdjer.

Essa crítica é de gente que não tem ocupação, de “polidor” das ruas da Morada, contra-ataca: Rodiá um currintim na ded / E puli es rua d’Soncente / Sô ta criticá na vida d’gente / Espiá trabóie d’home ta fazês mede.

Rodiá um correntim na dedo” encostado à uma esquina da Rua de Lisboa ou sentado nos bancos da Pracinha do Liceu Velho a conversar com amigos, a “dar fé”, ou simplesmente a esperar alguém ou a ver as “pequenas” passar era então um hábito muito em voga em Mindelo.

Estou a ver, bem do estilo da época, sportim d’munde, correntinha no dedo, unhas bem-feitas, bigode bem aparado, lenço bem dobrado no bolso, perfume Tabú, calça bem alisadinha, gola da camisa levantada e dobrada para trás, sapato lustroso, brilhantina no cabelo, cigarro Marlboro entre os dedos, drops mentol para refrescar o hálito.

Ainda nos anos 60 Frank Cavaquim compõe “Menininha d’Monte Sossego”: Menininha d’Monte Sossego / Es ca tem vot’es ca tem fama / Cosa q’es sabê é critica / Na camim de Plurim d’pexe e Vascona / […] / Sês vida é scuti riola / Es ca tem mas nada q’fazê / Se um dia es cai na loce / Es ta ba dritim pa gaiola.

Ao que Manuel d’Novas contrapõe com “Resposta Menininha d’Monte Sossego”, dirigindo-se directamente ao Frank, nomeando-o no corpo da letra – Ó Frank bô ê tão mau / Deus ta na céu quê pal oiá:

Quês meninina de Monte Sossego / Pá tude manera ês tem perdão / Ca bocês fala mal dêss / Pamod ês ta tude na sês razon.

A crítica é falsa, diz Manuel d’Novas, de alguém que as quer mal – Critica é falso quês pôs / Talvez alguém que crê-s mal.

A coladeira “Holandeza”, de Frank Cavaquim, viria a ser gravada por Djosinha, EP Mornas de Cabo Verde (Titina e Djosinha), em 1961 (?), e a coladeira “Holandesa q’certeza”, de Manuel d’Novas, por Tututa e Taninho, LP Rapsódia (Tututa e Taninho), em 1969, por Arminda Sousa, EP Tchon frio, em 1970, e, mais recentemente, em 2009, por Cesária Évora, CD Nha Sentimento.

“Menininhas d’Monte Sossego”, de Frank Cavaquim, conforme Francisco Sequeira, só foi gravação da Rádio Barlavento, na voz de Titina Rodrigues. Já “Resposta Menininhas d’Monte Sossego”, de Manuel d’Novas, consta do CD Nha Sentimento, de Cesária Évora, de 2009.

 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 807 de 17 de Maio de 2017.

 

terça, 23 maio 2017 16:07 Publicado em Economia

O Governo anunciou esta manhã o fim da operação inter-ilhas da TACV. A companhia de bandeira manterá, apenas, os voos internacionais. O Expresso das Ilhas disponibiliza a versão integral do comunicado feito esta manhã pelo ministro da Economia, José Gonçalves, sobre a reestruturação da TACV. Destacamos as principais ideias. 

terça, 23 maio 2017 15:41 Publicado em Mundo

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou hoje "fortemente o terrível ataque" que ocorreu em Manchester, na noite de segunda-feira, durante um concerto da cantora Ariana Grande, informou o seu porta-voz.

terça, 23 maio 2017 15:24 Publicado em Sociedade

A directora-geral da Imigração reconheceu hoje que a comunidade imigrada no país ainda enfrenta vários problemas, mas destacou os esforços governamentais para resolvê-los e promover maior integração dos estrangeiros no arquipélago.

terça, 23 maio 2017 11:44 Publicado em Economia

O Governo anunciou hoje o fim da operação doméstica da TACV a partir de Agosto. Os voos inter-ilhas passam a ser assegurados, apenas, pela Binter Cabo Verde que cede 49% do seu capital ao Estado. Também o sector de voos internacionais e de manutençao e engenharia vão ser reestruturados e privatizados.

terça, 23 maio 2017 11:28 Publicado em Desporto

Kevin Oliveira e Steven Pereira são as principais novidades na convocatória do seleccionador Lúcio Antunes para a partida do dia 10 de Junho com a Uganda, no Estádio Nacional, a contar para a  primeira jornada das eliminatórias do CAN´2019.

terça, 23 maio 2017 10:45 Publicado em Desporto

O antigo presidente da Associação Regional de Atletismo do Sal, Alfredo Lima, é o novo presidente da direcção da Federação Cabo-verdiana de Atletismo.

terça, 23 maio 2017 10:26 Publicado em Política

Os municípios vão ter em breve mais autonomia no estabelecimento de cooperações descentralizadas. O diploma que reforça as competências das autarquias passou esta segunda-feira pela reunião conjunta entre a Comissão Especializada de Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos, Segurança e Reforma de Estado, no Parlamento. 

terça, 23 maio 2017 10:09 Publicado em Mundo

A primeira-ministra britânica, Theresa May, confirmou hoje informações iniciais de que o ataque em Manchester foi perpetrado por um homem sozinho e adiantou que as autoridades já estabeleceram a identidade do atacante.

terça, 23 maio 2017 09:45 Publicado em Mundo

As medidas de segurança e a presença policial nas ruas de Londres foram reforçadas no seguimento do atentado de Manchester, anunciou hoje o autarca da câmara da capital britânica, Sadiq Khan.

terça, 23 maio 2017 09:26 Publicado em Economia

O Hotel Belorizonte, do Grupo Oásis Atlântico, situado na ilha do Sal, remodelou os seus quartos e bungalows e apresenta-se agora de 'cara lavada'. 

terça, 23 maio 2017 08:49 Publicado em Cultura

O ciclo de cinema documental Maio.Doc arrancou esta segunda-feira, no Centro Cultural Português da Praia, com "Serras da Desordem", do Brasil, e até 30 de maio irá projectar mais sete filmes sobre realidades de cinco países, incluindo Portugal.

terça, 23 maio 2017 08:18 Publicado em Sociedade

O relatório da ONU sobre Financiamento para o Desenvolvimento 2017, divulgado esta segunda-feira, afirma que 6,5% da população global continuará na pobreza extrema até 2030, se a actual taxa de crescimento e políticas para o sector permanecerem inalteradas.

terça, 23 maio 2017 07:58 Publicado em Mundo

Pelo menos 22 pessoas morreram, incluindo crianças e adolescentes, na sequência de uma explosão nesta segunda-feira à noite, no final de um concerto de Ariana Grande, em Manchester, no Reino Unido.

terça, 23 maio 2017 06:09 Publicado em Eitec

O Facebook foi multado em 150 mil euros pela Comissão Nacional de Informática e Liberdade (CNIL) de França. A rede social é acusada de compilar informação pessoal e monitorizar o acesso a sites terceiros sem avisar os utilizadores.

terça, 23 maio 2017 06:08 Publicado em Opinião

(O pior que poderá acontecer será o Governo recuar na sua decisão de rever a política de Vistos de Entrada de Estrangeiros em Cabo Verde.)

 

segunda, 22 maio 2017 17:30 Publicado em Sociedade

A estratégia de actuação para optimizar o Centro de Formação em Transformação Alimentar de Afonso Martinho, em Santo Antão, está a ser definida, garantiu hoje o IEFP.

segunda, 22 maio 2017 16:57 Publicado em Mundo

Mais de 922.000 pessoas fugiram de suas casas na República Democrática do Congo no ano passado, o maior número a nível mundial de deslocados internos registados devido a conflitos, informou hoje o Conselho Norueguês para os Refugiados.

segunda, 22 maio 2017 14:36 Publicado em Política

O Núcleo Operacional de Sistema de Informação (NOSI) vai ser “reposicionado” para que seja um instrumento de prestação de serviços ao Estado em áreas nucleares, disse hoje, na Cidade da Praia, o primeiro-ministro (PM), Ulisses Correia e Silva.

segunda, 22 maio 2017 12:56 Publicado em Mundo

Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram hoje a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de Junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

segunda, 22 maio 2017 12:10 Publicado em Sociedade

Cabo Verde está no caminho certo em matéria de segurança e administração marítima. A garantia é do auditor Fernando Benites, representante da Organização Marítima internacional(IMO), que falava hoje à imprensa, no Mindelo. 

segunda, 22 maio 2017 11:45 Publicado em Economia

O Instituto Nacional de Estatística anunciou hoje que os preços dos produtos importados diminuíram, em Abril de 2017, 1,2%, um “valor inferior em 6,4 pontos percentuais (p.p.) face ao registado no mês anterior” enquanto a taxa de variação mensal dos preços dos produtos exportados fixou-se em 1,9% em Abril de 2017, diminuindo 1,3 p.p. face ao valor registado no mês anterior.

segunda, 22 maio 2017 11:23 Publicado em Sociedade

Um elefante branco. É assim que o presidente da Associação Agro-industrial de Santo Antão e a Associação dos Municípios da ilha classificam o Centro de Formação Profissional em Transformação Alimentar de Afonso Martinho. A estrutura está fechada e não serve as necessidades dos produtores.

segunda, 22 maio 2017 10:32 Publicado em Desporto

A selecção de Cabo Verde foi domingo goleada por Portugal, por 12-3, no jogo de encerramento da segunda edição do Sal Beach Soccer Cup 2017, que decorria desde sexta-feira, no areal da praia de Santa Maria.

segunda, 22 maio 2017 09:16 Publicado em Mundo

A Comissão Europeia decidiu hoje recomendar ao Conselho de Ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) o encerramento do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) aplicado a Portugal desde 2009.

segunda, 22 maio 2017 09:12 Publicado em Desporto

As equipas do Mindelese, Onze Unidos, Sporting da Praia e Sporting da Brava são as quatro equipas no campeonato nacional de futebol só com vitórias, quando estão jogadas duas jornadas.

segunda, 22 maio 2017 08:36 Publicado em Economia

Cabo Verde deve aproveitar o crescimento de 3,7% previsto para este ano e 4.1% no próximo para acelerar a participação do sector privado na economia, tornando-o o motor do crescimento económico.

segunda, 22 maio 2017 06:08 Publicado em Opinião

Na semana passada o Governo deu o dito por não dito. O custo dessa inversão de marcha foi logo contabilizado em cerca de 45 mil contos anuais a serem permanentemente acrescidos ao orçamento do Estado a partir de 2018. O volte-face do governo surgiu no dia seguinte à ameaça de greve de zelo seguido de greve geral a partir de Junho por parte do sindicato dos oficiais de justiça. Na declaração pública, o governo voltou a afirmar que “é a favor da não generalização do subsídio de exclusividade” mas em vez de ponderar como agir na sequência do pronunciamento do Tribunal Constitucional e do veto presidencial, como prometera menos de 24 horas antes, apressou-se em concordar em incluir o subsídio, deixando forte impressão que o fazia por pressão do sindicato.

 Em Março último acontecera algo similar. O sindicato da polícia tinha ameaçado greve geral de três dias no fim desse mês se as reivindicações salariais feitas não fossem cumpridas. Era uma ameaça que não se justificava, considerando que o governo já tinha feito aprovar no orçamento de 2017 mais de 178 mil contos para resolver velhas disputas salariais na polícia nacional. Mesmo assim a imagem do sindicato saiu reforçada do confronto porque ficou a impressão de que o acordo de entendimento teria sido conseguido sob pressão da ameaça, sem precedentes na história do país, de deixar as ruas inseguras durantes três dias. Ninguém ganha com a percepção de que o governo, perante a mínima pressão, cede a interesses corporativos ou sindicais ou que é forçado a agir por causa de manifestações de indignação nas redes sociais como se viu no caso do passaporte diplomático do desportista  Matchu Lopes.

A reforma da administração pública é fundamental para se construir o futuro do país. Há um consenso geral que para que Cabo Verde dê saltos de produtividade e se torne competitivo é de maior importância que haja ganhos de eficiência na gestão dos recursos do Estado e que a relação com os cidadãos e com as empresas se deixe guiar por objectivos, agindo com eficácia para conseguir os melhores resultados. Sabe-se que após anos sucessivos de estagnação de carreiras e da falta de perspectiva na função pública muitos trabalhadores anseiam por recuperar o tempo perdido e naturalmente que se apressam logo a avançar com as suas reivindicações. Cabe ao novo governo transmitir a real situação do pais, definir as prioridades e saber criar a vontade geral que permita que se faça hoje sacrifícios para que o potencial de crescimento seja elevado e o país possa produzir riqueza e criar empregos sustentáveis.

Este é o momento errado para permitir que cada classe ou interesse corporativo se fixe nos seus interesses exclusivos ignorando o panorama geral de falta de dinâmica da economia nacional ou fingindo não ver os milhares de desempregados e os outros milhares de jovens que todos os anos chegam ao mercado de trabalho sem grande esperança de arranjar um emprego. Já é evidente que trabalhos do Estado não podem empregar todos assim como soluções de auto-emprego ou de actividade informal não resolvem o problema do desemprego. Dificilmente mostram-se  sustentáveis ou com potencial para fazer crescer o rendimento das pessoas e criar mais postos de trabalho. Para além do Estado, praticamente só o turismo e as actividades de exportação a partir de investimentos que trazem consigo tecnologia e mercados é que já provadamente demonstraram que podem rapidamente contratar milhares de pessoas e criar empregos permanentes.

Para poderem resultar é preciso porém que o país tenha uma administração pública ágil e eficiente e com consciência das suas prioridades e uma cultura de prestação de serviço. Para se conseguir isso é fundamental a liderança do Governo. Mas se em vez de lançar a administração do Estado para o patamar que hoje se exige de um país dinâmico, inovador e inserido na economia global,  o governo deixar-se ir a reboque ou capitular perante interesses ou reivindicações vindos dos sectores públicos será mais uma oportunidade perdida de se fazer as reformas essenciais que se impõem. E ninguém ganhará com isso, nem mesmo os sindicatos que poderão até passar, por algum tempo, a imagem de poderosos com as vitórias tornadas fáceis na administração pública e nos sectores públicos empresariais com a politização das causas e a deriva para o populismo de certos actores políticos. Vão verificar rapidamente que embora a curto prazo aparentam cuidar dos interesses dos seus associados, a longo termo todos serão prejudicados com a falta de produtividade e de competitividade da economia e com a incapacidade geral em criar empregos em número significativo.

O governo já deixou passar um ano sem que em relação à administração pública e com vista à melhoria significativa do ambiente de negócios fossem tomadas medidas práticas ou conhecidos os seus planos e estratégia para reforma profunda do sector. Não aproveitou o aparente consenso nesse sentido que vinha do período eleitoral de 2015/2016 e deixou-se desviar dos objectivos com a questão politicamente polarizante do concurso público e com a questão das incompatibilidades. Também não ajuda a imagem que se vai criando que o governo cede perante pressões de interesses corporativos e sindicais no sector público. Certamente que está a tempo de recuperar e fornecer uma liderança efectiva da administração pública e fazer as reformas que o país precisa, mas o tempo urge.

Olhando para as experiências dos outros países, constata-se que não é fácil mudar estruturas, criar uma outra cultura de organização e reorientar um aparelho estatal construído para controlar tudo e todos num modelo de reciclagem de ajuda externa, de forma a se transformar num instrumento dinâmico do desenvolvimento. Mas terá que ser feito se se quiser deixar definitivamente estes anos de crescimento raso e ir além das previsões do FMI em Abril deste ano que projectam para Cabo Verde em 2017 e 2018 taxas de crescimento do PIB de 4% e 4,1% respectivamente.  

 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 807 de 17 de Maio de 2017.

 

segunda, 22 maio 2017 06:06 Publicado em Eitec

Cria-se uma nova esperança para mulheres inférteis

Ovários artificiais férteis são a última inovação conseguida através de uma impressora 3D por cientistas nos Estados Unidos, uma técnica que um dia poderá ser usada para devolver a fertilidade a mulheres afectadas por cancro.

Os cientistas desenvolveram os ovários chamados bioprostéticos para ajudar a devolver a fertilidade e a produção de hormonas a mulheres que tiveram que fazer tratamentos para o cancro em adultas ou que sobreviveram a cancros infantis e têm mais riscos de ser inférteis ou ter problemas hormonais.
“O que acontece com algumas das nossas doentes de cancro é que os ovários não funcionam a um nível suficiente e precisam de terapias hormonais de substituição, afirmou a investigadora Monica Laronda, coautora do estudo publicado esta terça-feira na Nature Communications, citada pela Lusa.
A inovação desta tecnologia de impressão a três dimensões, experimentada em ratos de laboratório inférteis, é o material usado, um hidrogel biológico gelatinoso feito a partir de colagénio, uma proteína presente nos tecidos humanos.
O material tem a consistência certa para ser moldado durante a cirurgia e é poroso o suficiente para interagir com os outros tecidos com que contacta.
Na maior parte dos casos, o hidrogel é fraco e “como é composto principalmente por água, muitas vezes colapsa”, afirmou o professor de ciência dos materiais e engenharia Ramille Shah, da Universidade do Noroeste, do estado norte-americano do Illinois.
Monica Laronda frisou que o objetivo desta tecnologia é reproduzir “como funcionaria um ovário em cada fase da vida de uma mulher, desde a puberdade à idade adulta, chegando a uma menopausa natural”.
A diretora do Instituto de Investigação de Saúde Feminina de Feinberg, Teresa Woodruff, afirmou que “usar bioengenharia, em vez de transplantes, para criar órgãos funcionais e devolver a saúde aos tecidos da pessoa” é o objetivo último da bioengenharia ao serviço da medicina regenerativa.
Para desenvolver os ovários artificiais, os cientistas partiram da premissa de que todos os órgãos têm um “esqueleto”, uma estrutura básica, e usaram a dos ovários para construir através de impressão 3D o que chamaram de “andaimes”, por ser uma estrutura que se assemelha aos andaimes usados para fazer obras em edifícios.
Ao ser implantado no corpo, o ovário artificial é capaz de alojar os óvulos na sua estrutura porosa e permite que amadureçam, ao mesmo tempo que vasos sanguíneos rodeiam o “andaime” permitindo a circulação de hormonas que desencadeiam a produção de leite após o parto.
“Esta investigação demonstra que estes ovários bioprostéticos conseguem funcionar a longo prazo”, afirmou Teresa Woodruff.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 807 de 17 de Maio de 2017.

domingo, 21 maio 2017 17:20 Publicado em Mundo

O papa Francisco apelou hoje a “que se calem as armas e prevaleça a boa vontade de dialogar” na República Centro-Africana (RCA), referindo-se à nova onda de violência que se verifica no país.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version