Expresso das Ilhas

Switch to desktop Register Login

Expresso das Ilhas - Actualidades
sábado, 25 abril 2015 20:11 Publicado em Sociedade

O corpo do ex-ministro da Saúde (1980 – 1991), Irineu Gomes, encontrado sem vida na noite de sexta-feira, foi dado à terra na tarde deste sábado.

 O corpo do ex-ministro da Saúde tinha sido encontrado sem vida na noite desta sexta-feira, na sua residência, na avenida Baltasar Lopes da Silva.

Irineu Gomes de 71 anos vivia sozinho na casa onde tinha também instalado o seu consultório.

Segundo fonte policial o psiquiatra e antigo ministro da Saúde terá posto termo à vida utilizando uma cortina para se enforcar.

Doutor em Saúde Pública, Irineu Gomes foi o primeiro cabo-verdiano a licenciar-se em psiquiatria, e enquanto estudante pertenceu às estruturas clandestinas do PAIGC em Portugal e no Brasil.

De regresso ao país, dirigiu de 1975 a 1980 o Gabinete de Estudos do Ministério da Saúde altura em que assumiu a pasta da Saúde por mais de uma década.

Com o advento da segunda república, Irineu Gomes abandonou a política activa, passando a exercer a sua actividade profissional na psiquiatria do Hospital Baptista de Sousa e no próprio consultório.

 

A par do exercício da psiquiatria, Irineu Gomes dedicava-se ao estudo dos principais problemas sociais em Cabo Verde nomeadamente a prostituição juvenil, drogas, suicídio, entre outros.

Os resultados desta investigação foram publicados, em 2011, no seu livro “A Psicopatologia da Miséria”.

Numa entrevista concedida ao Expresso das Ilhas, em Outubro de 2011, o médico psiquiatra alertava justamente para a imprevisibilidade do acto do suicídio cujo tema dedicou todo um capítulo no seu referido livro.

“O acto em si é como um raio num dia de sol. Não acontece. Nunca há descargas eléctricas num dia de sol. É o inusitado. O indivíduo está bem e de repente pode ser que cometa um suicídio. Ele pode ter uma personalidade desde a infância frágil e basta ser cumprimentado de forma diferente por um amigo, ele sente-se menosprezado e mata-se”.  

 

   

 

 

 

 

sábado, 25 abril 2015 11:18 Publicado em Sociedade

Relatório das Nações Unidas "mediu" o nível de felicidade de 158 países  e anunciou o primeiro lugar para os suíços, que destronam a Dinamarca, líder do ranking em 2013. Cabo Verde não consta na lista.

sábado, 25 abril 2015 11:11 Publicado em Mundo

O Presidente da República de Portugal, Cavaco Silva, insistiu hoje na necessidade de compromissos interpartidários imprescindíveis para garantir a estabilidade política e a governabilidade do país, recusando o conflito, a crispação, a conflitualidade política e a agressividade verbal.

"Ao fim de quatro décadas de democracia, os agentes políticos devem compreender, de uma vez por todas, que a necessidade de compromissos interpartidários é intrínseca ao nosso sistema político e que os portugueses não se reveem em formas de intervenção que fomentam o conflito e a crispação e que colocam os interesses partidários de ocasião acima do superior interesse nacional", afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, no seu último discurso na sessão solene do 25 de Abril, na Assembleia da República.

Retomando os apelos ao consenso e diálogo, Cavaco Silva sublinhou que só desse modo será possível alcançar "compromissos imprescindíveis para garantir a estabilidade política e a governabilidade do país" e para enfrentar com êxito os desafios que o futuro coloca.

sábado, 25 abril 2015 11:05 Publicado em Mundo

O número de mortos devido ao sismo de magnitude 7,9 na escala de Richter que atingiu hoje o Nepal e outros países daquela região subiu para 449, segundo informações da polícia local.

sábado, 25 abril 2015 10:55 Publicado em Economia

Associações empresariais de Portugal e de Cabo Verde incluíram esta sexta-feira as da Guiné-Bissau para procurar parcerias que resultem em possibilidades de investimento no mercado da África Ocidental, disse à agência Lusa fonte oficial.

Francisco Mantero, presidente da ELO e em representação da Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI), falava à Lusa na Cidade da Praia no final de um seminário subordinado ao tema "Cabo Verde como Plataforma das Empresas Lusófonas para a CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental)".

A ideia, acrescentou, foi defendida pela Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento (CCISS, de Cabo Verde), também promotora do seminário, e prontamente acolhida pela AIP-CCI, sobretudo pelo facto de os dois países pertencerem a um espaço comum, CEDEAO.

Segundo Francisco Mantero, além da CEDEAO, Cabo Verde tem a vantagem de estar também associado ao AGOA, que isenta de taxas alfandegárias as exportações para os Estados Unidos, tem parcerias com a União Europeia (Especial e para a Mobilidade) e ainda a ligação ao Euro, via acordo cambial com o Tesouro português.

No caso da Guiné-Bissau, há a vantagem competitiva de o país pertencer também à Zona do Franco CFA (Franco da Comunidade Financeira Africana) e à União Económica e Monetária Oeste-Africana (UEMOA).

Juntos, sustentou, Cabo Verde e Guiné-Bissau, que têm vindo nos últimos meses a intensificar as relações comerciais e políticas, podem servir de ponte para um mercado entre 350 a 400 milhões de pessoas para as empresas lusófonas - incluindo também as de Angola, Brasil, Guiné Equatorial, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Francisco Mantero salientou que, no curto prazo, devem-se criar as condições em Cabo Verde e na Guiné-Bissau para que as restantes empresas lusófonas possam encontrar parcerias com congéneres cabo-verdianas e guineenses para entrar no mercado oeste-africano, de 15 países.

Também à Lusa, o vice-presidente da CCISS, Rui Amante da Rosa, manifestou-se "entusiasmado" com as perspectivas, garantindo que a câmara de comércio cabo-verdiana vai agora entrar em contacto com a congénere guineense, para dar seguimento ao delineado na Cidade da Praia.

Amante da Rosa negou, porém, que a proximidade das eleições legislativas nacionais (previstas para o primeiro trimestre de 2016) possa interferir negativamente nas relações empresariais, defendendo tratar-se de uma iniciativa do setor privado que está em linha com os objectivos de internacionalização empresarial do país, "qualquer que seja o próximo Governo".

A AIP-CCI pretende efetuar idênticas reuniões proximamente em Timor-Leste, Moçambique e Guiné Equatorial.

sábado, 25 abril 2015 00:27 Publicado em Cultura

No âmbito do 40.º aniversário da Independência Nacional, a Cidade da Praia recebe, no próximo dia 3 de Julho, a Gala “Somos Cabo Verde – Os Melhores do Ano” onde serão premiadas figuras nacionais que se destacaram em diversas áreas.

sábado, 25 abril 2015 00:00 Publicado em Mundo

Foi o pior desastre de sempre da migração. O naufrágio de domingo volta a pôr na ribalta a crise humanitária dos africanos que tentam atravessar o mar mediterrânico para chegar à Europa. Só nesta tragédia, cerca de 800 pessoas perderam a vida. Somam-se a outras tantas que pereceram no mesmo mar, numa série de naufrágios ao longo desta semana. Muitos apontam o dedo à União Europeia, mas que na realidade, devido a sua enormidade, cada vez mais é um problema que exige uma resposta e apoios à escala mundial, e no próprio local de origem dos migrantes.

sexta, 24 abril 2015 18:27 Publicado em Política

O presidente do MpD esteve reunido, durante toda a tarde de hoje, 24, com os líderes das centrais sindicais.

sexta, 24 abril 2015 15:57 Publicado em Economia

INE apresentou hoje, 24, as contas nacionais trimestrais. Para o Instituto Nacional de Estatística o crescimento da economia nacional, em 2014, deverá rondar os 2,7% depois de em 2013 se ter ficado em 1%.

sexta, 24 abril 2015 14:04 Publicado em Política

O Governo aprovou esta quinta-feira na reunião de Conselho de Ministro a revisão do Código Laboral cabo-verdiano. A medida foi anunciada hoje pelo Ministro do Conselho de Ministros, Démis Lobo numa conferência de imprensa em que afirmou igualmente que a proposta visa permitir que haja mais investimento económico e criação de emprego.

sexta, 24 abril 2015 13:05 Publicado em Cultura

Depois de Vinti Xintido Letrado na Kriolu, Son di ViraSon e Konfison na Finata, todos escritos em cabo-verdiano, Kaká Barboza regressa à poesia com “Gaveta Branca”, obra que será lançada hoje, na Biblioteca Nacional. Perpassam nas páginas deste livro reflecções metafísicas, existenciais e até cabalísticas, temas que apenas tangencialmente tinham merecido atenção do autor.

Expresso das Ilhas – O que quis dizer-nos com o livro “Gaveta Branca”?

Káka Barboza – “Gaveta Branca” é uma metáfora que surgiu do seguinte facto: o quarto onde trabalho é pintado de branco e tem uma janela por fora. Sempre que  entrava no quarto,  estava a entrar numa espécie de gaveta e abrindo o meu computador, afigurou-me que eu estava abrindo uma janela para entrar em gavetas à semelhança do nosso cérebro que contém gavetas onde guardamos os factos e os acontecimentos. Então, é essa gaveta recheada de factos, de vivências e de lembranças que eu quis abrir e olhar para dentro. Branca porque a luz é branca. Então eu pensei: a gaveta branca tem que ter a luz branca da palavra. É essa metáfora que eu achei muito forte – gaveta branca que não é muito usual, mas suponho que nós próprios e toda a humanidade estamos contidos numa gaveta. Essa gaveta universal que é uma gaveta infinita.

 

Dou-me conta que os seus temas habituais não estão neste livro. Surgem meditações filosóficas, existenciais e até cabalísticas.

Há um ou outro aspecto que são recorrentes nos meus poemas, mas estão diluídos de uma forma muito pensada, porque este livro foi escrito ao longo de cerca de um ano. Olhando para a luz, no seu aspecto enquanto grandeza física, é um raio que atravessa todo o universo. Mas a nossa luz, que é a nossa mente, aquilo que nós produzimos enquanto ousadia de poder pensar, reflectir e ir até onde a nossa imaginação alcança é também um outro raio. Esse cruzamento de raios produziu todo o pensamento que o livro contém. Nesse aspecto é um livro reflectivo. É um livro que não foi publicado antes justamente porque não tinha idade. Hoje tenho mais idade para o livro se parecer comigo. Mas eu quero chamar atenção para o seguinte facto: o fundamento deste livro é a luz. Nós temos que ser o centro da produção da luz. E essa luz é o conhecimento, é a possibilidade de alcançarmos o máximo em termos daquilo que podemos visualizar. Na poesia é também este o elemento essencial. É conseguir criar imagens através desse olhar, transformando essas imagens em palavras. De modo que é dentro desse campo que me situei para escrever o que está no livro.

 

Quem tenha lido seus anteriores trabalhos pensará facilmente que o Kaká Barboza se desencontrou com este livro. Pensa isso?

Não há um desencontro. Quando comecei a escrever este livro, passava por uma fase delicada da minha vida, estava desempregado. Com a preocupação de manter a família e as despesas normais da casa, criou-me alguma pressão. E normalmente quando há pressões desta natureza, suponho que os criadores estão mais bem preparados para explodirem, no sentido da criação de algo mais expressivo e mais emocional, mas também com uma capacidade reflexiva muito maior. Tratando-se de poesia, houve paz e sossego para que o livro pudesse conter essas reflexões, fugindo, de facto, um pouco daquilo que têm sido as minhas composições musicais e toda a poesia que eu escrevi e que venho escrevendo. Foi minha intenção que este livro fosse um pouco mais reflexivo, por isso o seu arquivamento durante 15 anos.

 

Portanto não foi inocentemente que procurou o filósofo Carlos Bellino para fazer o prefácio?

O racionalismo cristão tem uma carga de livros que não é doutrina racionalista. São livros que reflectem uma emanação do espírito. Eu leio esses livros com muita atenção para poder compreender até que ponto é que eu estaria em condições de elevar-me, cultivando o espírito. Mas um espírito resultante de um país como o nosso. De facto, o espírito é uma entidade universal, mas há também aquilo que eu considero o espírito cabo-verdiano que reside na pessoa e que se formata dentro da nossa realidade e da nossa vivência. Essas reflexões no meu livro baseiam-se justamente nessa possibilidade de nos encontrarmos connosco próprios, numa espécie de feixe de luz. Mas é também uma viagem que se reflecte em todos os poemas do livro.

 

Sempre pensei que o espírito cabo-verdiano estivesse contido nos seus livros anteriores, entre eles Vinti Xintido Letrado na Kriolu, Son di ViraSon e Konfison na Finata.

O sândalo é uma árvore/ mas quando o machado fere o sândalo/ há um perfume que exala/e esse perfume contamina toda a atmosfera envolvente./Quem se aproxima do bosque sente esse perfume. Todos os meus livros têm um perfume. Esse perfume é um perfume telúrico, é toda a força da terra, porque penso que o nosso país, a nossa terra é muito generosa; os homens é que não prestam. A nossa terra é muito generosa e todos cabemos cá, inclusivamente o resto do mundo, se cá vier. Agora, trata-se de dar guarida a todos e convivermos dentro de uma relação sã e depois procurar, assim como os nossos antepassados fizeram, organizar as suas vidas com os escassos recursos disponíveis. Tudo isso é uma força que encontramos nos primeiros escritos da nossa cabo-verdianidade. Por exemplo, num Manuel Lopes, num Baltasar Lopes, num Jorge Barbosa. E essa força sublima-se nos poetas mais actuais. Estou a falar de um Corsino Fortes, de um Mário Fonseca. São esses inputs que nos ajudam a recorrer a esses mesmos recursos e enfatizar a nossa escrita de modo a que ela reflicta toda a cabo-verdianidade possível. O meu livro tem também essa aspiração que é um percurso pela luz e pela voz. Dá-se luz à voz e voz e luz à palavra. É como se estivéssemos a dar voz, luz e palavra a estas ilhas generosas que nós temos.

 

Nos seus livros anteriores situa a essência da cabo-verdianidade no interior da ilha ou das ilhas. Continua a pensar desta forma?

Eu acho que Cabo Verde é um todo na sua diversidade, mas devemos partir de um ponto. E o ponto de que eu parto para congregar a diversidade é o ponto onde me fiz homem, onde eu senti todo o ambiente envolvente, toda a vivência, toda a aprendizagem aliadas ao paisagístico, ao labor e às ambições…Esse ponto é a Vila da Assomada, no concelho de Santa Catarina, onde cresci e passei toda a minha infância. É um concelho mítico, cheio de história e rico em tradições. De modo que apreendendo bem essa realidade. Nós podemos chegar e penetrar com alguma facilidade nas outras realidades. As nossas localidades são pontos de onde partimos para outras realidades, sejam urbanas ou rurais. Eu acredito que se parto de um ponto para outro, tenho que acrescentar pontes e não subtrair. Portanto, a nossa diversidade é um somatório de pontos que dão um conjunto de pontos que acabam por formar ou uma linha recta, ou um arco. De modo que eu acho que, de facto, devemos é aproveitar tudo aquilo que as nossas realidades locais nos fornecem para contribuirmos no sentido de gerar, na diversidade, uma forma mais capaz de unificar e criar esse todo que é a crioulidade. 

 

Tinha ficado com a impressão que nos livros anteriores localizou esse ponto, o tal “Aleph” de que fala Bellino no prefácio, em Santa Catarina.

Provavelmente, ou instintivamente, diria que sim, porque o poeta Mário Fonseca, quando lia os meus textos na língua materna, dizia-me sempre que eu apostava muito no vernáculo. Eu acredito que sim, que instintivamente parto desse grande pressuposto. Agora, partir desse pressuposto não quererá dizer que os outros pressupostos que existem nos centros urbanos, toda essa erudição, não são importantes. É que há uma coisa importante: se nós partirmos do campo para a cidade, sobretudo na ilha de Santiago, estaremos a trazer toda a simplicidade, toda a filosofia campesina, toda essa harmonia, toda essa paisagem para a cidade. A cidade é que nos tem que compreender, porque o camponês percebe a cidade, mas a cidade, nessa dinâmica das relações sociais, culturais e económicas tende a qualificar-se deixando um pouco o campo para trás. Mas o campo é fértil em humildade e numa harmonia mais sã. O campo tem acordes próprios que conseguem dar tranquilidade, ao passo que a cidade pode também gozar dessa tranquilidade, mas há uma agitação que não se esconde.

 

Na verdade, a magia da água a correr nas ribeiras não existe na cidade.

Eu compus uma canção que reflecte a necessidade dessa água. Eu falo no em Azágua. Mas essa Azágua é uma Azágua ainda mais ampla e tem como ponto de partida a própria água, porque a água tranquiliza. Em Cabo Verde a água tem um valor cultural enorme, porque nós nascemos numa situação de falta ou ausência total da água que significa também a ausência do verde. O pouco verde que nós temos é da escassa humidade. Mas quando vem a chuva, sobretudo quando a água corre numa ribeira, é uma alegria. É uma alegria cantante, porque a água faz-nos reviver para dentro essa fartura com que ambicionamos e sonhamos. Quando a água vai para o mar, ficamos tristes, porque ela passa e vai-se embora. Felizmente hoje conseguimos reter alguma água e não é por acaso que as nossas barragens atraem muitos curiosos e antigamente as lagoas eram visitadas e as crianças iam para aí brincar. Ia-se à ribeira lavar a roupa, apanhar a água e dar de beber aos animais. São momentos interessantes, porque ajuda-nos a resolver muitos problemas interiores que a gente tem.

 

É estranho que o milho entre nós tenha uma carga simbólica que a nossa velha água não tem.

Certamente. Eu acho que nós não temos uma cultura da água. Ter cultura da água significa aproveitá-la no máximo, mas também respeitar o seu uso. É muito paradoxal que numa terra onde a água escasseia haja um uso desordenado do precioso líquido, como se fossemos um país de muita água. De facto, as nossas ilhas são cercadas pela água do mar, mas a água potável que nos ajuda a ter uma vida mais apropriada, essa água é ainda muito maltratada, em termos de uso, em termos de respeito e em termos de elemento a ser valorado para fazer parte da nossa cultura. Nós dizemos que a cachupa é um elemento da nossa cultura, mas a cachupa faz-se com água. De modo que o milho e a água estão intrinsecamente ligados.    

 

Última pergunta. Pela dimensão que alcançou como compositor, considera-se mais músico ou mais poeta?

Eu já li músicos, trovadores ou letristas e já li poetas músicos. Provavelmente eu sou esse lápis que é afiado dos dois lados. Quando um se gasta, você volta para o outro lado para escrever com a outra ponta que está afiada. Nesse lápis eu sou música e poesia, porque a música existe num bom poema. Há uma musicalidade que reside na essência das palavras. A mutação e a musculação dos versos sugerem um ritmo e havendo ritmo é porque existe uma musicalidade. Este é um aspecto. Agora, sendo músico torna-se-me mais fácil a percepção do ritmo e da musicalidade. Existe uma fronteira entre música e poesia, mas depende daquilo que é a pessoa. Acho que em mim essa fronteira é nítida. Por vezes sou mais músico do que poeta. Depois ponho de lado a música para ser mais poeta do que músico. Tenho poemas meus que musiquei e acho que ficaram perfeitas. Por exemplo, Lavrador di nha terra Ntem fé é uma letra muito significativa que transmite muito, mas a melodia acabou por ajudar a expandir muito mais a mensagem e a chamar mais a atenção. Portanto, nesse aspecto eu acho que há uma dose de ousadia, mas também de muita felicidade.

 
New layer...
sexta, 24 abril 2015 09:27 Publicado em Sociedade

A ministra do Desenvolvimento Rural, Eva Ortet reconheceu hoje, na Cidade da Praia, a necessidade de se proceder a análises dos produtos importados, porque o país não sabe “verdadeiramente” o que importa.

sexta, 24 abril 2015 09:04 Publicado em Política

Membros da Comissão Nacional de Protecção de Dados Pessoais (CNPDP) são hoje empossados por Basílio Mosso Ramos.

sexta, 24 abril 2015 08:24 Publicado em Sociedade

Cabo Verde recebe sábado a conferência "África e Desenvolvimento Sustentável", promovida pela União Internacional Cristã de Dirigentes de Empresas (UNIAPAC/África), reunindo bispos e arcebispos e representantes associativos de vários países.

quinta, 23 abril 2015 18:12 Publicado em Economia

O ritmo de crescimento económico em Cabo Verde continua com a tendência descendente segundo os dados do Inquérito de Conjuntura realizadas às empresas, no 1º trimestre de 2015 pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

quinta, 23 abril 2015 16:21 Publicado em Sociedade

Depois da Uni-Piaget e do ISCEE, agora foi a vez do Instituto Universitário da Educação ter acesso gratuito à internet, no âmbito de um protocolo assinado hoje entre o Instituto Universitário da Educação e a CVMóvel.

quinta, 23 abril 2015 15:48 Publicado em Sociedade

A Polícia Judiciária anunciou, hoje, a detenção de quatro pessoas na Achada de Santo António. Detidos fazem parte do mesmo grupo que os outros seis homens detidos na terça-feira.

quinta, 23 abril 2015 14:48 Publicado em Sociedade

Sucessivas falhas de energia levaram à deterioração de três toneladas de peixe armazenado na ilha do Fogo e destinado a apoiar as populações afetadas pelo vulcão daquela ilha cabo-verdiana, denunciou hoje a Cruz Vermelha de Cabo Verde.

quinta, 23 abril 2015 12:13 Publicado em Sociedade

"Prestamos hoje homenagem a esses profissionais, de forma mais ruidosa e directa, mas eles merecem ser prestigiados todos os dias", é assim que o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, se dirige aos professores na sua mensagem alusiva à data que hoje se celebra.

quinta, 23 abril 2015 11:59 Publicado em Política

O ministro da Defesa, Rui Semedo acusou hoje o líder da bancada parlamentar do Movimento para a Democracia (MpD-opsição), de apresentar dados “manipulados” sobre a “qualidade da democracia e governação em Cabo Verde”, baseando-se no estudo do Afro-barómetro.

quinta, 23 abril 2015 11:00 Publicado em Economia

É a pergunta que deve estar na mente de toda a gente, agora que começou a doer mais a sério tanto às empresas como às famílias. A resposta é relativamente simples. Os impostos estão a subir, a carga fiscal está a sufocar as empresas e os particulares, porque o Estado precisa de dinheiro e as receitas fiscais têm diminuído. O Estado prevê determinados montantes nos orçamentos anuais, mas desde 2012 tem cobrado muito menos impostos do que o previsto.

quinta, 23 abril 2015 09:58 Publicado em Cultura

As cantoras cabo-verdianas Sara  Tavares e Lura  vão ser a representantes  do país no concerto da Lusofonia  a realizar-se esta  sexta-feira, no Jardim da Assembleia da República,  em Lisboa, Portugal.

quinta, 23 abril 2015 09:52 Publicado em Sociedade

O Instituto Nacional de Previdência Social (INPS) e os prestadores de serviços reuniram-se hoje, na Cidade da Praia, com o objectivo de analisar a questão da sustentabilidade do sistema da previdência social em Cabo Verde.

quinta, 23 abril 2015 09:49 Publicado em Economia

O novo Complexo de Frio do Mindelo deve entrar em funcionamento na segunda quinzena do mês de Maio, estando neste momento em fase de homologação o relatório final do concurso que deve confirmar um consórcio espanhol.

quinta, 23 abril 2015 09:47 Publicado em Sociedade

A Handicap Internacional vai fechar o seu escritório em Cabo Verde no início do próximo mês de Maio, disse hoje à Inforpress a chefe de projectos, Jandira Monteiro, que irá chefiar um projecto ligado à educação inclusiva na Guiné Bissau.

quinta, 23 abril 2015 08:57 Publicado em Mundo

O vírus Ébola contaminou mais de 26 mil pessoas desde o início da epidemia, há 16 meses, das quais 10.823 morreram, informou a Organização Mundial de Saúde (OMS) na quarta-feira.

quinta, 23 abril 2015 08:55 Publicado em Sociedade

O perigo de Cabo Verde ser afectado pelo derrame de cerca de 400 toneladas de combustível de um navio russo que se afundou a 11 deste mês ao largo das Canárias "é limitado", afirmou hoje fonte oficial cabo-verdiana.

quarta, 22 abril 2015 16:36 Publicado em Economia

Ainda antes de entrar comercialmente no mercado, a GMT Cabo Verde está já a lançar-se junto ao público. E fá-lo através de uma campanha, que se institui como movimento e que é apelidada de “Nu Levá Cabo Verde Pa Frenti”. A mensagem é de união, inspiração e optimismo e vende um conceito ao invés (por enquanto) de um serviço, constituindo a cara da Responsabilidade Social Corporativa assumida por esta empresa privada. No âmbito do movimento, foi já apresentado um programa de formação e promoção do auto-emprego, “Skrebi bu Futuru”, destinado aos jovens. Ao mesmo tempo, entra-se em fase de testes da primeira Plataforma de transferência de Dinheiro cabo-verdiana, o “negócio” da GMT.

quarta, 22 abril 2015 12:19 Publicado em Cultura

Stromae, Ferro Gaita, Grace Évora, Lejemea, Os Tubarões, Rapaz 100 Juiz, Dynamo são alguns dos artistas que fazem parte do cartaz da 23ª edição do Festival da Gamboa.

quarta, 22 abril 2015 11:30 Publicado em Sociedade

A União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde-Central Sindical (UNTC-CS) vai apresentar esta semana um estudo de impacto do novo código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS), na sequência da reclamação dos trabalhadores.

Expresso das Ilhas

Top Desktop version